Archive for the ‘Ciência’ Category

O que são e como nos afetam os campos eletromagnéticos?

 

 

Neste artigo explicaremos o que são estes campos, como eles podem nos afetar e quais maneiras podem evitá-los, e mesmo assim seguir desfrutando do uso destes aparatos sem que prejudiquem nossa saúde.

O que são os campos eletromagnéticos?

Hoje em dia existem campos eletromagnéticos por todo o lado, já que, mesmo se nós não possuímos aparelhos eletrônicos, as ondas dos vizinhos chegam até nós. Somente as pessoas que vivem muito longe de outras pessoas e sem nenhum tipo de conexão por cabo ou fio estão livres das ondas. Porém, estes campos não são visíveis para o olho humano, e por isso é certo que não damos a importância necessária a este assunto.

despacho-Paladin27

Os campos são produzidos devido a acumulação de cargas elétricas que todos os aparelhos e conexões eletrônicas que nos rodeia geram, desde as antenas de televisão ou estações de rádio e telefonia até uma tomada de parede ou uma máquina de raios X, passando por todo o tipo de aparelhos eletrônicos.

Se prestarmos atenção ao nosso redor veremos que em cada lugar que estamos haverá múltiplos aparelhos. Ao plugar um cabo elétrico em uma tomada são gerados campos elétricos no ar que rodeia o aparelho elétrico. 

Quanto maior é a tensão, mais intenso é o campo elétrico produzido. E se conectarmos um computador a internet veremos a quantidade de redes de Wifi que conseguimos detectar. Todas elas chegam até nosso organismo.

É importante destacar que também existem campos magnéticos naturais, causados pelas energias terrestres, e que também podem afetar a nossa saúde. A maior parte destes campos também pode ser evitada com os conselhos que daremos neste artigo.

Como os campos nos afetam?

Ainda não existem estudos em longo prazo que confirmem todos os efeitos negativos que a exposição contínua a estes campos eletromagnéticos provoca, pois esta exposição vem sendo muito incrementada durante os últimos anos.

De todos os modos, uma pessoa que passa um dia inteiro em um lugar muito carregado poderá comprovar por ela mesma o que está acontecendo em seu corpo. Muitas pessoas que trabalham em escritórios durante muitas horas já sentem estes problemas diariamente.

Destacamos alguns deles

Transtornos do sistema nervoso: depressão, ansiedade, irritabilidade, etc.

  • Insônia
  • Alergias
  • Hipertensão
  • Problemas oculares
  • Pele seca
  • Problemas de concentração, vertigens, desorientação.
  • Enxaquecas
  • Cansaço
  • Esterilidade e problemas durante a gravidez
  • Doenças autoimunes
  • Arritmias

Vários estudos sugerem também que estes campos podem ser cancerígenos em longo prazo.

Como podemos evitá-los?

A opção mais utópica é ir viver isolados no meio da natureza, em uma casa ecológica e sem nenhum tipo de conexão elétrica. Esta opção é praticamente impossível para a maioria das pessoas.

ecocasa-phototouring

Além de tentar evitar ao máximo estarmos rodeados de aparelhos elétricos ou tentar usar internet a cabo, principalmente no quarto e nas zonas da casa onde passamos mais tempo, existem algumas maneiras de nos descarregar diariamente desta contaminação eletromagnética:

  • Caminhar descalço pela areia da praia ou pela grama por pelo menos uma hora.
  • Abraçar uma árvore durante pelo menos 15 minutos.
  • Dormir com uma manta de lã de ovelha natural debaixo da cama, já que atua como isolante.
  • Adquira produtos isolantes de ondas eletromagnéticas (existem, por exemplo, alguns para telefones celulares).
  • Usar cobre para fabricar isolantes naturais (roupa com fio de cobre, pulseiras de cobre, etc.), já que o cobre possui propriedades protetoras destas ondas.

Você que comprovar?

Para as pessoas mais céticas recomendamos fazer um experimento. A cada dia durante um mês ferva água no micro-ondas, e quando a água estiver morna, utilize-a para regar duas plantas similares, uma com a água esquentada no micro-ondas e posteriormente esfriada  e outra com a água direta da torneira.

Ao final de um tempo, você verá como cada uma delas cresce. É possível que uma não sobreviva ou não se desenvolva da mesma forma que a outra.

Imagens por cortesia de Paladin27 e phototouring. 

Año 2002. Una persona que se identificó como miembro de la Agencia de Inteligencia Española, llamó, cerca de las 3 de la madrugada, al programa radiofónico de La Rosa de los Vientos, presentado por Juan Antonio Cebrián, en la emisora de Onda Cero Radio. En el programa se estaba hablando en ese momento sobre la Cueva de Hércules de Toledo y del investigador promotor del descubrimiento, Alberto Canosa.

El informador misterioso, que se presentó como “Pedro“, advirtió que La Cueva de Hércules está clasificada como Alto Secreto, y que dicho descubrimiento jamás saldrá a la luz pública. A los poderes políticos y religiosos de España y de todo el mundo no les interesa que se abran los Cerrojos de la Casa Encerrojada de Toledo, y que todas las informaciones y tesoros que se guardan en este aposento secreto del Rey Salomón, salgan a relucir a la opinión pública mundial.

Porque para la Elite oscurantista y conspiradora que gobierna el mundo actual es absolutamente imprescindible gobernar con Secretos, con leyes de prohibición de información, y con clasificaciones confidenciales de Top Secret y Alto Secreto, y con Agencias gubernamentales de Inteligencia e información, afín de construir una Red Mundial de Mentiras y Fraudes, para que todos los seres humanos de la Tierra sigan manteniéndose en la ignorancia perpetua, y para que la misma Elite del Poder siga mangoneando todo.

La fortaleza inexpugnable que el Rey Salomón construyó en Toledo, un auténtico bunker subterráneo, hacia el año 1030 A.C., se hizo con un propósito específico: Revelar su contenido secreto y sellado, cuando llegue su tiempo: En el Final de los días de la humanidad. Esta Revelación de los secretos que guarda la Cueva de Hércules fue vaticinada hacia el año 1550 por los Profetas de Toledo, autores de los misteriosos Cronicones de Toledo; unas profecías apocalípticas que causan terror en El Vaticano y en todos los poderes establecidos en la Tierra.

LAS PROFECIAS DE TOLEDO

Durante toda la vida, siglos y siglos, se han venido concentrando en Toledo todo tipo de organizaciones ocultistas, sectas herméticas, esotéricas, satánicas, etc… Por ejemplo, la tradición esotérica y cultural habla de la ancestral fundación de la Escuela de Nigromantes de Toledo, nacida desde tiempos muy antiguos.

Supuestamente, Hércules, según esta versión esotérica y ocultista, habría fundado en el subterráneo de Toledo una Escuela de Alta Magia, que con el paso del tiempo, habría ido cobrando fuerza y extendiéndose en la cultura toledana. Pero, al margen de esta explicación de la tradición esotérica y ocultista, lo cierto es que en realidad, nadie sabía el por qué de esta extraña concentración de sectas secretas que tenía lugar en la ciudad milenaria de Toledo, al igual que también han tenido lugar en otras ciudades o enclaves especiales de la Tierra.

POR QUÉ SE OCULTA LA CUEVA DE HÉRCULES

Hoy sabemos el motivo de todo este dispositivo de control ocultista que se fué fraguando y montandose en Toledo: Vigilar e Impedir a toda costa que se descubra y que se abra La Cueva de Hércules. Hasta el conocido como "El Papa Negro" del mundo de las sombras, tiene su residencia fija en la ciudad de Toledo. El objetivo de evitar que salga a la luz pública La Cueva de Hércules es de una prioridad absoluta para el mundo de las tinieblas.

La Torre de Hércules, y La Cueva de Hércules, fueron construídas en el año 1037 a.C., en tiempos del Rey hebreo Salomón. Todo este enclave sagrado se construyó en esa época para que diera a descubrir a la humanidad en los postreros días del fín del mundo. Su cometido sería empezar a mostrar al mundo las verdades bíblicas y que se empiecen a aclarar y descifrar todos los misterios y asuntos oscuros que ha padecido la humanidad desde siempre.

Si los gobiernos de la tierra y el Vaticano sacasen a la luz pública lo que saben y lo que guardan como " Secretos de estado " nadie podría contener la ira y el odio de las masas. La Cueva de Hércules, y lo que hay dentro, será la catapulta, el detonante, la espoleta iniciadora, con la que se empiecen a arrancar todos los secretos que durante más de 6000 años han estado guardados para este tiempo presente.

El fín del mundo no es la desaparición o explosión de La Tierra sino el final de una época y el comienzo de otra época diferente. El final de un orden o sistema de cosas establecidas en una época oscura, y el comienzo de otra época, otra era de conocimiento de la verdad. Este cambio significa el final del Poder para los que siempre lo han ostentado, desde todas las organizaciones oscuras, su final, esto es, el Armagedon. El Armagedon, que será para ellos su hecatombe, pero al mismo tiempo significa la Liberación para toda la humanidad.

LAS PROFECÍAS DEL TERROR 

En tiempos paralelos a cuando el Cardenal Primado de Toledo, Juan Martínez Siliceo envió una Expedición desde el Callejón de San Ginés 3 hasta La Cueva de Hércules, en 1546, había en la ciudad de Toledo unas sectas religiosas a las que se les atribuye la autoría de unas obras literarias llenas de grandes vaticinios, conocidas como "Las Profecías de Toledo" o "Las

Profecías de los Falsos Cronicones de Toledo". Y estos Falsos Cronicones o vaticinios proféticos de Toledo predijeron que cuando se llegase a entrar de nuevo en La Cueva de Hércules, después de la Expedición del Cardenal Siliceo en 1546, vendría el Fin de la Iglesia Católica, acontecería una Gran Tribulación en toda la Tierra habitada, y llegaría el Fin del sistema actual de cosas.

Adicionalmente a las Profecías históricas en sí, es interesante también resaltar la figura posterior del escritor y erudito español José Godoy Alcántara, nacido en 1825 en Archidona, Málaga, y muerto en 1875. Sus magníficos estudios de los Falsos Cronicones fueron publicados en su obra de 1868, mérito literario premiado que le valió su ingreso en la Real Academia Española de la Historia. 
Pues bien, en los originales y antiguos Cronicones proféticos de Toledo, se dirigen los vaticinios hacia los interiores misteriosos de la Catedral de Toledo, y revelan que en lo alto del altar-retablo que se levanta sobre la cripta, frente al llamado "Transparente", entre todo el retablo que hay, de esculturas, existe la figura de un ángel sosteniendo un pez.

Se trata de una figura realizada por el pintor y escultor Narciso Tomé. Pues bien, según siguen relatando estas Profecías, el día que se entre de nuevo en La Cueva de Hércules, el pez del ángel caerá al suelo de la Catedral, y será la señal inequívoca que anunciará el acontecimiento de una gran hecatombe, y que se extenderá por toda La Tierra, empezando por Toledo, y el fín caótico de la Iglesia Católica y de las organizaciones oscuras.

A la entrada de la Cueva de Hércules hay unas frases interesantes, escritas en azul, en idioma griego, y más o menos dicen lo siguiente: " El rey que abriere esta cueva, y pudiere descubrir las maravillas que tiene dentro, descubrirá bienes y males".
El rey Rodrigo (http://leyendasyfabulas.com/la-maldicion-del-ultimo-rey-godo-don-rodrigo/ ) y su corte, y toda España entera, en el año 711, pudieron percibir en sus propias carnes la veracidad de esas palabras. Y siglos después, en 1546, la Expedición que mando El cardenal Juan Martínez Siliceo pudo igualmente experimentar la realidad de esa enigmática profecía. 

La situación de complot actual en Toledo

En conocimiento de que verdaderamente se cumplirá de nuevo una vez más esa profecía que se halla en la entrada a la cueva de Hércules, tanto los poderes políticos como religiosos, han creado en torno a la cueva de Hércules un complot impresionante en todo Toledo y las poblaciones de Castilla La Mancha, para que no haya forma humana posible de lograr que los medios de comunicación se hagan eco de este descubrimiento, para que no se permita de manera alguna abrir públicamente la cueva de Hércules, y se ha amenazado y aterrorizado, a abogados, colaboradores, investigadores, periodistas, etc… 

Se ha coaccionado a los medios de comunicación de Toledo y Castilla La Mancha " públicos " y privados. Se ha presionado igualmente a la Consejería de cultura para que no permitan de manera alguna hacer excavación de tipo alguno para abrir la cueva de Hércules, y se ha presionado y comisionado igualmente a la Guardia Civil Seprona, se ha "utilizado" a la Guardia Civil, esa es la expresión correcta, esgrimiendo mentiras arqueológicas, para que vigilen día y noche y no permitan a nadie en absoluto hacer inspección o análisis de tipo alguno.

Y todo porque el día que la Cueva de Hércules se haga pública vendrá un desmembramiento de un sinfín de organizaciones religiosas ocultistas y herméticas, entre ellas, por supuesto, la Iglesia Católica, y un desplome completo de un sistema de organizaciones mentirosas y fraudulentas, que a lo largo de milenios han creado una sociedad controlada por corruptos, ladrones, estafadores y dictadores, que han dejado a la humanidad constantemente, en ignorancia, en miedo y en terror hasta el día actual.

Todas las organizaciones ocultas, y la Iglesia Católica entre ellas, aguardan con gran terror e intentan retrasar en todo lo posible la llegada de este trágico momento final para sus miembros.

Naturalmente, no podemos perder de vista que además de las razones ocultistas y proféticas, el ocultamiento y control de los accesos que conducen a la Cueva de Hércules, también podría haber facilitado el posible hallazgo y apoderamiento, para las personas encubridoras, y responsables de este complot, de tesoros y riquezas materiales que pudiera haber en diferentes partes bajo los subterráneos de Toledo.

Lo cual implicaría la existencia de un gran Expolio cometido en el Toledo subterráneo por aquellos que controlan férreamente sus accesos, utilizando como coartada las propias leyes y prohibiciones que ellos mismo dictan.

Por lo que el día que tengan que rendir cuentas estos responsables, tendrán que responder no sólo por los cargos de Ocultamiento del Patrimonio, sino también de un posible saqueo material, cometido a espaldas de los ciudadanos.

EL MISTERIO DE LA CUEVA DE HERCULES: 

¿que esconde?, ¿por que la élite no deja investigar?

Muchos aficionados y expertos en excavaciones han encontrados OOPARTS (‘artefacto fuera de lugar’), que son objetos electrónicos con microchips incorporados que datan de hace cientos de miles de años atrás. Varias personas en las instituciones del poder fáctico, la UNESCO, impide que las masas conozcan sobre esta clase de hallazgos que derrumbarían todo lo que conocemos sobre nuestra civilización y las predecesoras.
El 90% de la historia ha sido trucada, es falsa, son teorías infundadas.

La Cueva de Hércules fué construída por el mismo constructor del Templo de Jerusalén, el Rey hebreo Salomón, hijo del Rey David, hacia el año 1030 antes de Cristo.

Las Dos Expediciones más importantes que se han realizado a lo largo de la Historia han sido:
- La Expedición del Rey Rodrigo, en el año 711 d.C.
- La Expedición del Cardenal Primado de Toledo, Juan Martínez Siliceo, en el año 1546.

Ambas incursiones acabaron en desastre y tragedia, puesto que trataron de abrir un precinto sagrado antes del tiempo prescrito, el tiempo actual que estamos viviendo del Fín del Mundo. En 1940, una Expedición de la Ahnenerbe, la unidad de Arqueología SS de los Nazis, mandada por Heinrich Himmler en persona, viajó expresamente a la ciudad de Toledo, buscando la misma reliquia sagrada y poderosa del Rey Salomón. En los tiempos modernos, el investigador hispano-alemán, Alberto Canosa, dirige el Tercer Proyecto histórico para entrar en la legendaria Cueva de Hércules, y descubrir, por fín, todos sus secretos milenarios y tesoros incalculables, entre los cuales figura la Mesa del Rey Salomón. Según las Profecías de Toledo, recogidas hacia el siglo XVI en los escritos de las llamadas “Profecías de los Falsos Cronicones”, cuando la 3ª Expedición histórica a la Cueva de Hércules, tenga lugar, el pez sostenido por el angel caerá al suelo de la Catedral, y será la señal del derrumbe de una vieja Era y el comienzo de otra Era Nueva, en la que la verdad se abrirá paso.

Actualmente, el Equipo de investigación del profesor Alberto Canosa busca la colaboración de un socio mecenas financiador, que ayude económicamente a sufragar los gastos que conlleve el proyecto de Descubrimiento de la Cueva de Hércules.

La cueva de Hércules y la Mesa de Salomón, por ejemplo, después de muchos años de investigación se hallaron planos antiguos de la ciudad de Toledo, donde se detallan las múltiples entradas a túneles que conducen a este sitio, mas Alberto Canosa solo encontró oposición del más alto nivel gubernamental para impedir que este hallazgo fuera de conocimiento público.

La cueva toledana de Hércules, forma parte, es uno más, de los enigmas históricos de la ciudad, hay quien dice que el subsuelo está lleno de cavidades y al poco se manifiesta otro aseverando, que en realidad es una sola cavidad la que forma un extenso laberinto de cientos de kilómetros de desarrollo. El caso es que, sea una sola o sean cientos de ellas, la de Hércules es la más popular.

Aquellos narradores que aflautan misteriosamente la voz al contar las historias, dicen que fue durante el reinado del mitológico rey Tubal, nieto de Noé y fundador de la primera monarquía española, cuando el héroe Heracles llegó hasta la ciudad y se bastó con las manos para excavar una enorme cueva donde instruir a los iniciados en el arte de la práctica mágica y ciencia adivinatoria, fue así como nació la Escuela Nigromante de Toledo. También dejó guardada en el lugar la “Mesa de Salomón”, la que se había mandado hacer para el mismísimo Templo de Jerusalén.
Para encubrir el secreto de la espelunca, en la que ya se habían alcanzado los niveles más altos del conocimiento, Hércules edificó un magnífico palacio sobre la cueva; con esa construcción pretendía que el acceso se mantuviese bien seguro tras un segundo paso.
Como legado de sucesión a su reino estableció también que cada nuevo rey que accediese al trono, no sólo se abstuviese de penetrar en la caverna, sino que además deberían añadir un nuevo candado a la puerta para que nadie pudiera desvelar el secreto mejor guardado. Con el tiempo la mansión empezó a conocerse popularmente como “El Palacio Encantado”.
Muchos soberanos se sucedieron en aquel trono hasta llegar quien rompiera los cierres de la puerta que protegían el secreto. El monarca era don Rodrigo, duque de la Bética y miembro de la familia de Chindasvinto, quien hizo saltar los pasadores de veinticuatro candados para poder traspasar la puerta. Traicionó a sus ancestros, provocó el maleficio.
Al penetrar en el subterráneo, escrito sobre la pared a modo de advertencia y amenazante sortilegio, se pudo leer sin dificultad “Vuelve por donde vienes, donde ahora vas está la muerte”. Don Rodrigo, era un valiente caballero y no se dejó intimidar por tan espuria amenaza, siguió adelante por las tenebrosas galerías. Dice la leyenda que atravesó varias cavernas, una blanca, de nívea cobertura, otra negra como cubierta de pez, verde una tercera, como el color que tiene las esmeraldas y una cuarta que era roja del color con el que fluye la sangre por las heridas.
Cuando al fin encontró un arca de madera creyó haber descubierto el secreto de la caverna, en el interior de la misma se guardaba una tela pintada en la que aparecían tropas a caballo, se hallaban bien pertrechas y armadas y estaban representadas bajo estandarte musulmán. Una inscripción en el paño advertía que quien, por haber desplegado la tela, mostrase aquellas huestes, induciría a que los que así vestían invadiesen los territorios de la Iberia hasta enseñorearse de ellos.

Lo que hasta aquí se narra como leyenda se materializó en la primavera del año 711 cuando los musulmanes dirigidos por Tarik, cruzaron el estrecho de Hércules e invadieron los territorios de la Iberia. En la batalla que Rodrigo entabló contra los invasores en Wadi Lakka, lugar que se ha identificado como el río Guadalete junto a Barbate, en Cádiz, los visigodos fueron derrotados y el monarca perdió la vida.
Nada más se supo de la cueva de Hércules durante largo tiempo hasta que en el año 1546, el arzobispo de Toledo Juan Martínez de Silíceo (1546-1557), mandó una expedición que explorase los subterráneos de la ciudad. Según se narra en los Anales Toledanos, los exploradores que se habían enviado al lugar, salieron muy impresionados por lo que allí habían visto. Hablaron de caudalosos ríos subterráneos, de estatuas gigantescas que tenían vida y movilidad y también otras muchas visiones fantasmagóricas que los hizo estremecer. Tras esas sobrecogedoras descripciones la cueva fue cegada para que nadie entrase jamás y soliviantase la tranquilidad en aquel mundo.
En 1851 unos jóvenes toledanos tuvieron la osadía de explorar nuevamente el lugar, pero se sorprendieron al hallar únicamente una estancia subterránea de 15 metros de larga por 10 metros de ancha con una altura bastante escasa.

En la “Guía de Toledo” del vizconde de Palazuelos, escrita en 1890, se dice: “…en los extremos de la estancia hay ciertos boquetes o puertas tapiadas que, sin duda, comunican con alguna bóveda inmediata”.
En 1973 un estudio del destacado ingeniero Carlos Fernández Casado (1905-1988), concluía que aquella sala hipogea no era sino una cámara abovedada, empleada como cisterna para el abastecimiento de agua a la Toletum romana. El suministro comenzaba con la captación en la presa de Alcantarilla a 38 kilómetros de la ciudad y atravesando el Tajo por un acueducto, con restos todavía visibles hoy en día, hasta precipitarse en el aljibe subterráneo, situado en lo que fue Judería Menor de Toledo, en el barrio denominado Alcaná o El Alcaná, vocablos que derivan del árabe con el significado de El Canal, en el Callejón de San Ginés, justo debajo de donde antes estuvo la iglesia visigótica dedicada a ese santo, desacralizada en 1794 y finalmente demolida en marzo de 1841.

En la primavera de 2003 el Consorcio de Toledo inició el estudio arqueológico del enclave con el que se concluyó la datación romana del depósito, construido durante el siglo I de nuestra se ejecutó mediante el empleo de bloques de piedra granítica cementada con mortero de cal y arena revestidas posteriormente con una capa de yeso. El contenido del aljibe se cifraba con una capacidad de 273 m3.
La antigua cueva estaba situada debajo de la iglesia de San Ginés, en el interior de la cual tenía la entrada. El segundo acceso estaba situado por alguna de las casas vecinas. En la campaña arqueológica aparecieron así mismo vestigios de los cimientos de la iglesia de San Ginés, y la ubicación del camposanto. Oculto en los muros aparecieron diversos materiales vinculados con un scriptorium, entre los que había un pergamino manuscrito con caracteres árabes de un dialecto desconocido, en el que sólo ha podido identificarse la palabra “Hércules”. En la lista de hallazgos se contiene entre otros objetos, un punzón de madera, un cálamo, y el cuello de un recipiente cerámico.

http://origenhumano.blogspot.mx/2013/01/la-cueva-de-hercules-alto-secreto.html?spref=fb

Baseado em dados da constelação de satélites Swarm, cientistas da agência espacial europeia confirmaram mudanças importantes no campo magnético da Terra, entre elas o possível enfraquecimento da Anomalia Magnética que atua sobre o Brasil.

Campo magnético da Terra

Medições feitas nos últimos seis meses confirmam uma tendência de enfraquecimento global, com quedas mais significativas no hemisfério ocidental do planeta, embora um aumento na intensidade tenha sido observado acima do oceano Índico desde janeiro de 2013.

Além das medições de intensidade, os dados coletados também confirmam os estudos recentes que revelam o deslocamento do polo norte magnético em direção à Sibéria.

Todas as anomalias verificadas foram detectadas a partir das linhas de força provenientes do núcleo da Terra, correspondente a 90% do total coletado. De acordo com a ESA, os outros 10% serão analisados ainda em 2014 e foram originados no manto, crosta, oceanos e magnetosfera terrestre.

Anomalia Magnética do Atlântico Sul
Um dos gráficos que mais chama a atenção é aquele observado no topo do artigo, onde se nota um enfraquecimento natural mais pronunciado nas linhas de fluxo magnético acima de toda a América do Sul, mas ligeiramente mais pronunciado no Sudeste e Centro-Oeste Brasileiros.

Esta região de enfraquecimento é conhecido pelos pesquisadores como Anomalia Magnética do Atlântico Sul, ou AMAS.

Essa anomalia ocorre devido à uma espécie de depressão ou achatamento nas linhas no campo magnético da Terra acima desta região e tem como causa o desalinhamento entre o centro do campo magnético e o centro geográfico do planeta, deslocados entre si por cerca de 460 km no sentido sul-norte.

Esta anomalia foi descoberta em 1958 e sofre alterações ao longo do tempo, principalmente devido ao deslocamento dos polos magnéticos aliada ao enfraquecimento do campo de modo global.

Devido ao campo magnético ser mais fraco, partículas oriundas do cinturão de Van Allen se aproximam mais da alta atmosfera desta região, fazendo com que os níveis de radiação cósmica em grandes altitudes sejam mais altos nesta zona.

Embora os efeitos na superfície sejam praticamente desprezíveis, a AMAS afeta fortemente satélites e outras espaçonaves que orbitam algumas centenas de quilômetros de altitude.

Satélites que cruzam periodicamente a AMAS ficam expostos durante vários minutos à fortes doses de radiações e necessitam de proteção especial. A Estação Espacial Internacional, por exemplo, é dotada de um escudo especialmente desenvolvido para bloquear as radiações.

Estudos
De acordo com Rune Floberghagen, gerente da ESA para a missão Swarm, os dados registrados pelos satélites deverão proporcionar uma nova visão sobre muitos processos naturais que ocorrem em nosso planeta, desde aqueles que tem origem nas profundezas da Terra até os eventos desencadeadas pela atividade solar.

Além disso, no entender do pesquisador, as informações obtidas deverão trazer uma melhor compreensão dos motivos que estão causando o enfraquecimento do campo magnético terrestre e as possíveis consequências que isso terá no futuro.

Arte: O gráfico mostra a intensidade do campo magnético da Terra como registrado pelo satélite europeu SWARM. As áreas vermelhas representam locais onde o campo magnético é mais forte, enquanto as áreas azuis retratam diminuição na intensidade. Crédito: ESA/DTU Space, Apolo11.com.

A SUPER NOVA 1987A

Em novembro de 1999 uma descoberta estava deixando nossos cientistas espantados. Tudo começou na madrugada de 23 de janeiro de 1987, quando foi detectada, pelo observatório astronômico de Mont Blanc, em Dakota do Sul, a presença de uma supernova.

Chamaram-na de 1987a. Supernovas são estrelas gigantes que tendo extinto seu combustível nuclear explodem espetacularmente.

A media de produção de supernovas na galáxia é de uma a cada cinquenta anos, porém, já faziam 300 anos desde a última ocorrência.

Anos mais tarde a Nasa colocou no espaço o satélite observatório Hublle. Depois de exaustiva pesquisa pelo espaço sideral, terminou por fotografar os restos da supernova 1987 e espantados os cientistas puderam ver a presença de dois misteriosos anéis, não concêntricos, formados pelos escombros e gases da gigantesca estrela.

Mas, o mais impressionante é que na intersecção dos anéis a estrela havia se transformado num olho ardente, de espectro verde.

Essa supernova está a uma distância de 160.000 anos luz da Terra. Isto quer dizer que esta imagem, agora captada pela Hublle, iniciou sua viagem ao nosso planeta muito antes do que qualquer civilização humana conhecida tenha existido.

Na mesma época a Nasa estava preocupada com o DNA humano, inúmeras pesuisas estavam se desenvolvendo em seus laboratórios. Na internet, em seu site, podiamos ler uma longa série deles, com informações inacreditáveis vindas de mentes supostamente cépticas dos cientistas ocidentais.

Muitos estudiosos achavam que esta luz que agora nos visitava, proveniente da estrela implodida, estavam, de alguma forma, interferindo nos padrões de comportamento do DNA humano.

As pesquisas apontavam para o fato de que esta luz, portadora de todos os códigos e memórias daquela estrela, faziam vibrar a glândula pineal de muitas pessoas que, por um processo ainda desconhecido na época, acabavam interferindo de forma contundente o DNA delas.

Entretanto, de um dia para o outro, estas páginas desapareceram da Internet e o silêncio habitual das pesquisas que podem alterar o sistema dominante estabelecido se abateu implacável.

Foi quando recentemente nós nos deparamos com os resultados de outra pesquisa, desta vez de origem russa.

Diz esta pesquisa que o DNA humano funciona como uma grande rede de comunicação, é uma espécie de Internet biológica.

Estas pesquisas se basearam no fato de que apenas 10% do DNA é usado para produzir proteinas, o restante era considerado como excepiente, isto é, veículo, aquilo que se coloca nos remédios para dar volume e consitência.

Entretanto a natureza não tem por hábito desperdiçar energia ou material, tudo tem uma razão específica e bem determinada. Foi assim pensando que foram reunidos aos geneticistas pesquisadores, estudiosos de outras áreas, muitas delas que aparentemente não tinham nada a ver com genética e começaram uma pesquisa séria nos 90% descartáveis.

Os primeiros resultados vieram dos linguistas que, baseados nos resultados das pesquisas dos geneticistas, perceberam que o código genético, especialmente nos 90% aparentemente inúteis, segue as mesmas regras de todas as linguagens humanas!

Para chegar a esta conclusão eles colocaram lado a lado a sintaxe, a semântica, as regras gramaticais com os dados fornecidos pelos geneticistas e perceberam que os elementos que compõe o DNA respondem às mesmas leis básicas de formação de nossas linguagens. Com isto concluíram que o nascimento de nossa linguagem não foi um ato aleatório, nascido de uma casualidade, mas sim como um reflexo impulsivo do DNA humano.

E é então que nos reportamos à Doutrina da Tradição que diz que todos os idiomas são oriundos de uma língua mãe que deu origem a todas as outras. Encontramos referências a este respeito na nossa mitologia judaico-cristã na passagem bíblica da Torre de Babel.

Existem certas palavras que estão presentes em muitos idiomas e usada por povos sem a menor possibilidade de contato. Palavras havaianas similares a encontradas em povos do centro da África.

A palavra Manu, por exemplo no judaísmo é o maná que cai do céu e alimenta o povo faminto (energia). No Havaí encontramos Mana, uma forma de energia mental. Manú é também um lendário sumo legislador indú…

Pjotr Gargajev biofísico e biólogo molecular Russo, concluiu que: “Os cromossomos vivos funcionam como computadores solitônico-holográficos que usam a irradiação a Laser do DNA endógeno”.

Solitônico é uma onda solitária que se propaga sem deformar-se num meio não linear [imagine que você joga uma pedra numa lagoa muito tranquila, ao tocar a água ela fará uma série de ondas concêntricas que irão avançar a até a margem.

Pense agora na mesma pedra sendo atirada num rio turbulento, imagine que ela cria uma única onda que se propaga da mesma forma imperturbável da sua onda irmã do lago sereno, só que está em meio da turbulência e agitação das águas do rio – isso é uma onda solitônica.

Isto quer dizer que os cromossomos se comunicam através de determinados padrões de frequência. De posse deste conhecimento eles modularam raios lazer em certos padrões de frequência e assim influenciaram a freqüência do DNA e a própria informação genética contida nele.

O problema seria como descobrir estas freqüências consideradas certas. Mas, como a estrutura básica do DNA e da linguagem são as mesmas não há a necessidade da decodificação do DNA para conhecê-las.

Pode-se simplesmente usar palavras e sentenças da linguagem humana! Foi isto que eles provaram experimentalmente.

O DNA vivo (no tecido vivo, não in vitro), sempre reagirá não só aos raios laser modulados em padrões de linguagem , mas até às ondas do rádio, isto se as freqüências apropriadas estiverem sendo usadas. Desta maneira puderam explicar cientificamente por que o treinamento autógeno, as afirmações, as sugestões, a hipnose e a vontade, podem ter efeitos tão fortes nos seres humanos e em seus corpos.

Isto tudo que estes notáveis pesquisadores descobriram é a comprovação daquilo que sempre apregoou a Doutrina da Tradição e seus mestres através de várias escolas de conhecimento, de que o corpo humano é programável pela linguagem, por palavras e pelo pensamento. A única coisa é que não existe é um padrão absolutamente definido de resultado, cada indivíduo tem o seu, de acordo com fatores como fé (intensidade de crença), maturidade espiritual, aplicação… Já no caso das experiências se a freqüência é a certa os resultados são previsíveis.

Os pesquisadores russos, ao contrário dos ocidentais que cortam genes simples da estrutura do DNA e os inserem em outra parte, podem influenciar o metabolismo celular através das freqüências de rádio e das freqüências de luz, moduladas apropriadamente, e assim reparar defeitos genéticos.

Gargajajev fez ainda a seguinte experiência, danificou alguns cromossomos com raio X e através de padrões de freqüências obtidos em um DNA sadio, conseguiu, usando lazer, reparar as danificadas.

Através do mesmo método conseguiu transformar embriões de rã em embriões de salamandras. Tudo isto com uma vantagem, toda a reprogramação foi efetuada sem quaisquer dos efeitos secundários ou desarmonias encontrados quando se extrai e se re-implanta genes simples do DNA.

Mas existem outras coisas interessantes que nos são apresentadas pelos cientistas Russos. Eles descobriram que o nosso DNA também pode causar perturbações no vácuo, produzindo aquilo que é conhecido como buraco de minhoca!

Os buracos de minhoca são os equivalentes microscópicos das assim chamadas Pontes de Einstein-Rosen existentes na vizinhança dos buracos negros (deixados pelas estrelas extintas).

Eles são conexões entre áreas totalmente diferentes no universo através das quais informações podem ser transmitidas fora do espaço e do tempo. Assim, informações podem ser enviadas de um universo para outro sem nenhum ponto de contato físico ou temporal.

As informações ao atravessar esta ponte inter-espacial são atraídas pelo DNA que, dependendo das condições, as passa para a nossa consciência. Este processo é chamado de hipercomunicação e é mais eficaz quando o indivíduo está em estado de relaxamento. Estresse, ansiedade, preocupações ou uma mente muito agitada impede que a hipercomunicação seja bem sucedida e fará que a informação seja totalmente distorcida e inútil.

De forma resumida podemos dizer que a hipercomunicação acontece quando se tem acesso a uma informação que está fora da base de conhecimento do indivíduo. A informação chega sem que haja qualquer inteiração dentro dos padrões normais de espaço e tempo. Por exemplo, o Chico Xavier tinha a capacidade de falar qualquer idioma (vivo ou morto) quando tinha necessidade.

A hipercomunicação vem sendo usada pela natureza, com sucesso, por milhões de anos. Um exemplo disto é o organizado fluxo de vida nos reinos dos insetos.

Quer ver um exemplo da utilização da hipercomunicação pela natureza: Quando uma formiga rainha está separada espacialmente de sua colônia, a formação ainda continua fervorosamente e de acordo com o plano. Se a rainha for morta, entretanto, todo o trabalho na colônia se interrompe. Nenhuma formiga sabe o que fazer. Aparentemente, a rainha envia os “planos de formação” também por via distante da consciência de grupo de seus assuntos. Ela poderá estar tão afastada quanto queira, contanto que esteja viva.

Os animais, em geral, agem como grupo. Os mestres da Doutrina da Tradição, há centenas de séculos, nos falam das almas grupo, as mônadas, que funcionariam como uma consciência grupal e para a qual todas as experiências dos indivíduos são reportadas.

Baseados nestes conhecimentos, Grazyna Gosar e Franz Bludorf, dopesquisadores russos, nos dizem que nos tempos primitivos os homens se ortavam como os animais, todos

intensamente conectados com a consciência do grupo e mais que isto, agindo como um grupo, usando a hipercomunicação.

Porém, chegou um momento em que, para desenvolvermos e experienciarmos a individualidade, nós humanos, necessitávamos abandonar o uso da hipercomunicação quase que completamente.

Agora que estamos absolutamente estáveis em nossa consciência individual, podemos criar uma nova forma de consciência de grupo, na qual chegaremos a acessar toda a informação por meio de nosso DNA, sem sermos forçados ou mesmo remotamente controlados sobre o que fazer com esta informação.

Como na Internet podemos, através do nosso DNA, alimentar com nossos dados a rede e estabelecer contato com outros participantes, trocando informações.

A cura à distância, telepatia ou captação à distância de informações sobre o estado de parentes, e muitos outros fenômenos paranormais, podem assim ser explicados.

Alguns animais sabem quando os seus donos planejam voltar para casa, mesmo que estes estejam muito distantes. Este tipo de captação pode ser interpretado por meio de conceitos da hipercomunicação e da consciência grupal.

Os pesquisadores acham que se os humanos, com plena individualidade, reconquistassem a consciência de grupo, eles teriam um poder divino para criar, alterar e formar coisas na Terra! E a humanidade está se movendo coletivamente em direção a uma consciência de grupo de um novo tipo. As mudanças crescem em expressão geométrica.

Cinqüenta por cento das crianças que estão nascendo neste momento serão crianças problema quando forem para a escola, pois o sistema trata a todos de forma global, como massa. Em sua grande maioria elas estão sendo massacradas para se enquadrarem no sistema vigente. Porém, a individualidade das crianças de hoje é tão forte que elas se recusam a este ajuste forçado e se rebelam. A cada dia nascem mais e mais crianças clarividentes, clariaudientes, cognitivas… são as tais crianças chamadas índigo.

Algo nestas crianças está pressionando mais e mais em direção à uma consciência de grupo de um novo tipo, e isto não tem volta.

Só para você ter uma idéia o tempo é difícil de ser influenciado por um simples indivíduo, mas pode ser influenciado por uma consciência grupal. Lembre-se das tribos que praticam a dança da chuva.

Quando ocorre a hipercomunicação, pode-se observar tanto no DNA, como no ser humano, fenômenos especiais. Os cientistas Russos irradiaram amostras do DNA com raio laser. Estes formaram na tela de um computador um padrão de onda típica. Quando eles removeram a amostra do DNA, o padrão de onda não desapareceu, ele permaneceu ali, como antes. Muitos experimentos controlados mostraram que o padrão ainda vinha da amostra removida, cujo campo de energia permaneceu aparentemente por si só. Este efeito é chamado de efeito fantasma do DNA. Supõe-se que a energia de fora do tempo e espaço flui ainda através dos buracos ativados depois que o DNA foi removido.

Um efeito secundário encontrado muito freqüentemente na hipercomunicação é o surgimento de certos campos eletromagnéticos inexplicáveis nas adjacências das pessoas envolvidas no processo.

Aparelhos eletrônicos como computadores, reprodutores de Cds, relógios digitais e similares podem ser contaminados e param de funcionar. Mais tarde, quando o campo eletromagnético se dissipa, os aparelhos voltam a funcionar normalmente. Alguns são tão fortemente atingidos que nunca mais voltam a funcionar. Muitos curadores e sensitivos conhecem bem este efeito à sua volta. Talvez este parágrafo seja tranqüilizador para muitos deles que são constantemente importunados por estas ocorrências, pois isto significa que eles são bons na hipercomunicação.

Cientificamente falando, o tempo é fortemente influenciado pelas freqüências da ressonância da Terra, as chamadas freqüências Schumann. Mas estas mesmas freqüências são produzidas em nossos cérebros, e quando muitas pessoas sintonizam o seu pensamento, ele passa a funcionar como um laser, então, não será surpresa alguma que eles possam influenciar o tempo.

Os pesquisadores da consciência de grupo formularam a teoria das civilizações do Tipo 1. Uma humanidade que desenvolveu uma consciência de grupo de um novo tipo não teria nem problemas ambientais nem carência de energia. Pois se ela fosse usar o seu poder mental como uma civilização unida, teria o controle das energias de seu planeta natal como uma conseqüência natural. E isto inclui todas as catástrofes naturais!!! Uma civilização teórica do Tipo 1 seria até capaz de controlar todas as energias de sua galáxia natal.

Verificou-se em laboratório que um fenômeno estranho ocorre sempre que uma grande quantidade de pessoas focaliza a sua atenção numa mesma coisa, seja o Natal, o campeonato mundial de futebol, a morte do Airton Sena, a visita do Papa. Nestas ocasiões, programas geradores de números aleatórios nos computadores começam a liberar números ordenados!.. Os pesquisadores provaram com isto que uma consciência de grupo ordenada cria a ordem em todas as suas adjacências.

Mas vamos retornar ao DNA. Os pesquisadores russos concluíram que, aparentemente, ele se comporta como um supercondutor que pode funcionar na temperatura normal do corpo. Os supercondutores artificiais requerem temperaturas extremamente abaixas, entre 200 e 140° C abaixo de zero para funcionar.

Todos os supercondutores são capazes de armazenar luz e assim, informação. Este é um dado adicional de como o DNA pode armazenar informação. Há um outro fenômeno ligado ao DNA e aos seus buracos de minhoca. Normalmente estes buracos são intensamente instáveis e se mantém somente por frações mínimas de segundo. Porém, sob certas condições podem-se organizar buracos estáveis, que formarão domínios distintos do vácuo, nos quais, por exemplo, a gravidade pode se transformar em eletricidade.

Os domínios do vácuo são bolas com brilho próprio de gás ionizado que contêm quantidades consideráveis de energia. Há regiões onde tais bolas brilhantes aparecem muito freqüentemente.

Os Russos descobriram que os domínios do vácuo emitem ondas de baixa freqüência e que podem também serem produzidos por nossos cérebros. Por causa desta similaridade de ondas, eles reagem segundo os nossos pensamentos.

Muitos mestres espirituais produzem também tais bolas energéticas ou colunas de luz, muitas vezes visíveis durante uma meditação profunda ou no meio de um trabalho de energia.

As gerações anteriores que entraram em contato com tais experiências de hipercomunicação e com os domínios do vácuo visíveis estavam convencidas de que um anjo tinha aparecido diante delas.

GNA É UMA CÉLULA TRANSFORMADA EM ENERGIA

Nós temos o DNA, que é nosso código genético. O GNA é o complemento desse código, como se fosse o nosso DNA transmutado para energia. Então, o GNA é uma célula transformada em energia.

Algumas pessoas têm o GNA ativo, outras não. Quem nasceu a partir de 1971 já tem o GNA ativo. Quem nasceu antes, tem que ativá-lo.

Quando o GNA está em atividade, essa célula energética se desenvolve, ao ser desenvolvida, projeta-se ao oposto dela: ela estando à direita projeta energeticamente a sua correspondente à esquerda, na mesma posição. Por exemplo: se ela está a um centímetro da face, no pescoço, exatamente um centímetro do mesmo ponto ela vai transmutar outra célula, com a mesma energia. E o processo continua. Ela vai se projetando para cima, para baixo e assim sucessivamente, transmutando células-matéria em células-energia, até que todas sejam energia

Todos os seres humanos têm um certo grau de paranormalidade, mas nem todos sabem usar essa energia psíquica. Manifestações paranormais de efeitos físicos (entortar, quebrar objetos) significam que você conseguiu desprender energia na matéria. E essa energia é desprendida com a ativação e o desenvolvimento do GNA.

Para ativar o GNA existem técnicas especiais, utilizando essas técnicas, qualquer pessoa pode ativá-lo, desenvolvendo a seu poder mental.

O GNA é necessário para acelerar nosso processo de evolução. Transmutar nosso metabolismo para energia, despertar nossa consciência, fazer com que acessemos o conhecimento cósmico. Nós estamos aquém de nossas reais capacidades mentais. A Espiritualidade nos diz que o ser humano existe nessa realidade com a intenção de redescobrir o seu Dharma (missão de vida) e assim cumpri-lo.

O mundo tridimensional bloqueia o nosso conhecimento, então é difícil desenvolvermos algumas capacidades psíquicas (vidência, a percepção, a premonição, a telepatia, a clarividência, tudo o que abrange o grupo psigama, a região livre do cérebro). Devemos trabalhar para favorecer esse "despertar".

Alguns estudos nos dizem que até o DNA se transformar em energia, ele terá doze hélices (e não apenas duas como atualmente). Doze filamentos que representarão os seis estágios evolutivos da alma.

As sensações de quem tem o GNA ativo normalmente são: enxaqueca constante, dor na região cervical, tensão na musculatura, o pescoço estala muito, zumbido nos ouvidos (uma pressão que não é arterial, nem é labirintite). Se a pessoa tem essas sensações, vai ao médico e não descobre nada, isso pode ser excesso de energia, pode ser o GNA em atividade.

GNA É O NOVO DNA DE 12 BANDAS

Desde que o DNA foi definido como uma helix de duas bandas antiparalelas de nucleótidos complementares (A,T,C,G) todo um novo mundo se abriu para a Ciência. O Genoma Humano já foi todo sequênciado, provas de ADN são usadas em medicina forense, testes de paternidade, doenças genéticas, medicamentos DNA-específicos.. etc.

Esta sequência de aminoácidos presente em quase todas as nossas células diz-se conter toda a nossa informação genética: traços físicos, psiquicos e provavelmente morais, embora não se consiga encontrar o onde de cada uma dessas coisas…

Após um certo limite é tudo somente expeculação.

No mundo da Espiritualidade, as coisas vão bem mais além, visto q n há barreiras ao pensamento.

Um tema muito actual no mundo espiritual é o GNA (AGN), que é o que se chama do nosso verdadeiro código espiritual! Este não é composto por duas cadeias, mas sim 12! sendo 2 delas físicas (as que a nossa ciência acredita) e as demais 10 etéricas.

Os Lemurianos falavam já de 32 bandas deste código, mas vou deixar esse tópico para outra altura.

O GNA, é um tema que já circula também os meios científicos, sendo que muitos investigadores lutam para provar a exsitência destas bandas não tão visiveis.

O nosso DNA (do qual 97% é considerado lixo sem qualquer valor e somente os restantes 3% é que codificam informação válida). Evidentemente esses 97% não são lixo… contém é informação sobre as nossas vidas passadas (registos akashicos) que a nossa ciencia ainda n sabe interpretar.

As demais 10 bandas (que já foram vistas pelos miscroscópios!!!) são chamadas pelos cientistas de DNA sombra

Alguns métodos recorrem á seguinte caracterização de bandas:
1 par (físico)
responsáveis por aspectos do corpo físico. Mostram a predisposição duma pessoa em relação a algumas condições de saúde, envelhecimento, metabolismo, etc..
2º par (etérico)
Tratam dos aspectos emocionais, bem como inclinações para padrões emocionais.
3º par (psíquico)
Contem o perfil genético mental. Traduzem se a energia mental vai ser usada em pensamento directo, linear, lógico ou intuitivo, artistico, etc. Contem tambem informação sobre se a pessoa é optimista ou pessimista.
4º par (alma)
Contém o chamado Karma(ou Dharma para os que preferem). Predisposições para padrões karmicos trazidos para esta vida, feridas karmicas… energia inacabada simplesmente. Se os comandos correctos forem empregues, é possível terminar estes projectos abertos a qualquer altura.
5º par (astral)
Influencia electromagnética do sistema solar, integrado com a força da gravidade de onde a pessoa nasceu. Contem os códigos que podem ser lidos numa carta astrológica.
6º par (transformação)

Habilidade de criar e re-criar. A parte mais espiritual do nosso ADN. Connectada a todas as criações, está ligada com o Universo.

Uma teoria é que no passado, todas estas bandas estavam connectadas entre si e o ser humano no ápice da sua vertente espiritual em permanente conecção com os outros mundos, mas estas ligações foram-se perdendo e os trabalhadores da luz focam em re-daquirir estas ligações perdidas… este GNA pode ser activado através de frequências, decretos, ou normalmente através de atitudes ao longo da vida.

As frequências de Solfeggio são um exemplo disso: O que são ?

http://www.youtube.com/watch?v=tgMQOAWeVs0

Depois da reativação do GNA benefícios possíveis:
- desaparecimento de rugas
- crescimento capilar
- aumento da intuição
- maior acuidade auditiva e visual
- estabilização do peso
- maior crescimento das unhas
- aumento da percepção
- mudanças a nivel social
- experiências de limpeza
- maior conecção ao mundo espiritual
- saber qual é a nossa missão.
- certeza de sermos filhos de Deus
encarnados neste planeta com um propósito divino

http://mickbernard.blogspot.com/2014/

Uma nota de Lee: Muitos podem interpretar mal esta canalização, por este motivo estou escrevendo esta nota: A mensagem de Kryon nesta gravação é um convite para que comecemos a construir uma ponte para nos conectar diretamente com nossa própria estrutura celular e por fim conseguir sintonizar com nosso "Inato". Há bons processos que podem nos apoiar e ajudar a liberar bloqueios emocionais, obter mensagens diretas de nosso corpo, trazer equilíbrio, cura e para identificar problemas: EFT (Emotional Freedom Techniques), Body Talk, EMF Balancing Technique, Reconexão e muitas outras. Esta mensagem de Kryon não representa nenhuma delas. Trata-se de falar com nossas células e criar formas de começar a integrar nossa consciência com nossa própria estrutura celular. Trata-se de começar a falar com nossas células.

COMUNICAÇÃO COM AS CÉLULAS

Saudações, queridos, EU SOU KRYON SERVIÇO do serviço magnético.

Mais uma vez, eu sei onde estou e honro o que está aqui. O nome do lugar é o Templo da Sabedoria e, neste curto espaço de tempo, queremos trazer-lhes os tipos de sabedoria pelas quais vocês têm pedido e ansiado. Nesta nova energia, cada velha alma começa a perguntar a respeito disso.

E já que os humanos gostam de colocar um nome a tudo, o título do tópico será a comunicação com o corpo. E antes mesmo de começar, gostaria de dizer que será especificamente sobre a comunicação corporal de você para a sua estrutura celular, e não o contrário. Isso será para outra canalização. Existem dois tipos de comunicação e não é em uma só direção e, portanto agora vou falar sobre você e seu corpo.

Queridos Humanos, antes de iniciarmos, você precisará rever os bloqueios que podem impedir você de entender o que está por vir. Você tem apenas uma realidade, a qual compartilha como um ser humano, e é a mesma que compartilha inclusive com o meu parceiro. Essa realidade é que você vive em um mundo linear e experiencia as coisas de certas formas, e você está acostumado com o modo como a natureza humana funciona.

Psicologia humana é o que impulsiona você, as suas ações, as razões ocultas, as conquistas, as punições, e todas essas coisas que integram sua percepção de como as coisas funcionam.

Não é uma crítica à sua inteligência quando digo que em seguida você naturalmente as projeta a tudo ao seu redor. E se é Deus, ou apenas a percepção da realidade em um estado multidimensional, você só aplica aquilo que já conhece – e isso é um preconceito, uma tendência.

Há uma tendência na natureza humana, o de dar e receber que você tem e, portanto a tem aplicado a todo o resto e da mesma forma existe uma tendência em acreditar que só se consegue algo através de muito esforço e repetição.

Há certas formas em que a natureza humana funciona em suas relações com outros seres humanos, na reciprocidade que tem e, portanto a aplica a todo o resto.

Já dissemos isso antes, que algumas de suas religiões organizadas têm levado isso ao extremo, onde há um Deus disfuncional que pode se tornar irado, julgar e fazer todas as outras coisas que dizem os Humanos.

Então antes de começar esta conversa, eu digo que você tem que descartar tudo isso. A mensagem pode lembrar algumas das formas tradicionais e em seguida equilibre isso com a verdade. Você já sabe? É lindo.

A premissa desta canalização é que você é capaz de falar com sua estrutura celular, como temos falado há anos, e não é difícil.

Você tem que superar os preconceitos humanos, e também não é difícil.

Vamos começar com esta discussão e teremos que fazer com o que eu chamarei de introdução, sobre o que é preciso para alcançar o que ensinaremos hoje.

Nós definiremos a consciência da melhor maneira possível – a consciência humana. Isto pode não ser a definição que você encontrará no mundo acadêmico, pois estas são as coisas como nós vemos.

A consciência humana está dividida em várias partes e só vamos falar a respeito de duas delas.

A primeira é essa sopa de reações ou comportamentos, é executada por duas partes do corpo humano. A primeira é o cérebro sináptico, isto é, o reservatório de experiências. E a segunda é a parte multidimensional que você acredita ser responsável pela criatividade, intuição e Deus.

É uma mistura dos dois, através do livre arbítrio do ser humano. O equilíbrio de ambos cria um ser humano que, para os demais, realmente parece que está no controle de sua própria vida e satisfeito consigo mesmo.

E quando existe um desequilíbrio em qualquer direção, haverá uma disfunção.

Quando um ser humano tem apenas uma consciência que está apenas no cérebro sináptico, não crê em Deus, não é capaz de ter um pensamento verdadeiramente criativo e está satisfeito de trabalhar apenas com o que ele já conhece. E lhe serve bem.

Mas é disfuncional para nós, porque Deus está sempre aí, sempre disponível e poderia lhe dar muito mais luz e uma consciência superior. Mas, com seu livre arbítrio, é o que fazem.

E existe o outro lado, você já os viu e são os disfuncionais da Nova Era. Eu os chamaria de flutuadores. Eles estão tão absortos naquilo que é esotérico que não têm nem ideia do que seja a vida e, portanto, o cérebro sináptico não tem chance.

Lógica e o bom senso serão descartados e tudo o que resta é o que chamamos de fanatismo*(*Brasil), dissimulação** e trapaças** (**em espanhol: simulación y superchería). (e Kryon sorri…).

(nota de Patrícia: aqui estou traduzindo do texto em espanhol, mas no áudio original Kryon usa os termos “make believe” que significa “faz de contas” e “Woo Woo” para se referir a estas pessoas fanáticas que levam ao extremo as coisas esotéricas e, portanto, acreditam em qualquer coisa que seja dita como esotérica mesmo as que não têm validade e aqui no Brasil usamos o termo “fanatismo” que acho que se adequa mais ao sentido americano de “woo woo”).

Você já os viu! E sabe o que é isso? É aceitável para eles. Mas isso é a consciência humana, o equilíbrio entre as sinapses e a sobrevivência, e a parte de Deus que você carrega.

Bem, agora onde está você?

É assim que começamos esta mensagem. Se hoje você está ouvindo isso e se você é um ser humano nesta sala ou um ser humano que mais tarde estará lendo ou ouvindo esta transcrição, as probabilidades são que você está consciente da parte divina em você.

Agora, a sua parte divina é a parte indescritível, a parte misteriosa, mas que é a parte real, tão real como o cérebro sináptico. E aqui eu digo que ela está vinculada, fortemente conectada com sua capacidade de falar com o seu corpo.

E se você é um intelectual e apenas confia no seu cérebro sináptico, você deverá parar por aqui, pois não poderá continuar, porque você não vai ter nenhum sucesso com o que estou prestes a lhe dizer.

Não é interessante que estão tão intimamente entrelaçados?

Você tem que estar ciente do divino em seu interior, porque esse é o caminho que vai te levar a conseguir falar diretamente com o que temos chamado de a consciência inata.

Há anos atrás, nós dissemos que chegaria um dia neste planeta, em que a saúde das pessoas poderia ser medida de uma maneira muito diferente do que é feito atualmente, aqueles com uma consciência mais elevada, obviamente viverão mais tempo e não haverá pesquisas médicas que poderiam explicar as razões.

Nós lhes dissemos que a consciência pode eventualmente conduzir os próprios atributos do equilíbrio humano de forma química e celular e as outras coisas as quais hoje te mantém naturalmente concentrados como dietas e exercícios seriam relegados ao banco de trás no que se refere à consciência.

E se nós lhe dissemos isto, a que conclusão chegaria então?
De que as coisas estão mudando para o Ser Humano.

Os mesmos atributos que o mantêm vivo, irão começar a mudar para o Ser Humano. A propósito, uma maior tomada de consciência dos atributos dimensionais irá proporcionar o que seu corpo necessita e proporcionará mais saúde, mas só isso, simplesmente, não vai ajudá-lo a falar com sua estrutura celular.

Então, se você chegou até aqui e se você concorda e pode dizer honestamente: "Eu acredito que há uma centelha divina em mim", então podemos continuar. O restante desta informação será dado supondo que você a tem. Aqueles que são naturalmente espirituais chegaram a esse ponto várias vezes.

Aqueles com uma mente espiritual e que conhecem a estrutura celular do seu corpo, sabem que ele tem um complemento espiritual e um componente benevolente e estão prontos para seguir adiante. Mas é interessante o que eles fazem então.

Historicamente, irrompem os preconceitos e tendências humanas, mesmo aqueles que se dizem iluminados e da Nova Era, começam com o que eu chamaria de um processo linear e insensato de repetição. (Kryon sorri). São as coisas que eles decidiram que são necessárias para falar com sua estrutura celular.

Por que você deveria querer falar com sua estrutura celular? Deveria ser óbvio. Com qual paradigma você cresceu? Historicamente, é isto: que você, como uma criatura iluminada, subsiste em sua mente, que tudo o que acontece com você está em sua mente. A maior poesia já escrita, a melhor música já composta, as maiores pinturas, começaram no intelecto, ou seja, no cérebro.

E o resto do corpo é o veículo que segura a cabeça e seu cérebro e, ocasionalmente, sua “cabeça” olha para o corpo e diz. "Espero que essa coisa funcione" Isto é tradicional e é validado por tudo aquilo que você vê ao seu redor, com os que sempre adoecem ou sobre as coisas que acontecem, e em seguida surge o medo.

O medo cria um hipocondríaco que teme tudo e que acredita que está exposto a contágios ou doenças ao seu redor. A propósito, isso geralmente acontece. É o corpo humano que atende aquilo que ouve ou que vem a partir da sua mente. E isso lhe dá uma dica do que está por vir. Esse é o pensamento tradicional do qual você não tem controle.

Agora você chega até aqui sabendo mais e se senta para ouvir isso e está pronto para avançar. No passado, na Nova Era, havia muitos processos que supostamente capacitavam a vocês a falarem com suas células. Mas não de suas células falando com você, e sim sobre você tentando falar com elas.

E esses processos estão cheios de repetições, uma e outra vez o mesmo processo, o qual os seres humanos acreditam serem os atributos de que células gostariam e tem que ir a um determinado lugar, sob uma determinada temperatura, em uma determinada energia e voltada em uma determinada direção.

E você terá que fazê-lo várias vezes. E se você conseguir, o corpo se preparará para ouvir. E haverá uma pequena janela de oportunidade para que você possa dar uma mensagem. Essa é uma tendência humana.

Querido, é hora de desmistificar isso, pois não está correto e não funciona bem!

Você supõe que seu corpo é estúpido, e que ele não sabe nada? Que ele está completa e totalmente separado e desagregado de sua consciência e de tudo o que você faz, da qual você não tem ideia?

Eu vou te dizer a verdade. (Kryon suspira) Isso será provado cientificamente e não falta muito. As células do seu corpo, especialmente a que você chama de a Inteligência Inata ou o Inato, todas têm algo em comum e eu vou lhe dar um nome pela primeira vez.

Aqui está: E será chamado C.A.L., C – A – L. (Cells Are Listening), (traduzindo para o português): Isso significa que as células estão ouvindo. As células estão ouvindo!

(Nota de Patrícia: vamos passar está sigla para o português e daqui a diante chamaremos de C.E.O. as Células Estão Ouvindo, ok?).

Assim você foi construído. O complemento divino em você é incorporado em cada célula de seu corpo. As células são um conjunto de que foi gerado pelo seu DNA através do projeto ou design que está lá, e em cada célula existe um atributo e se conecta tão claramente consigo mesma, e está à espera de instruções.

As únicas instruções que podem ouvir são as que serão dadas pelo complemento divino, diretamente da consciência humana e com intenção pura. Ouviu isso?

Vamos falar por um momento desta comunicação.

É como se cada célula tivesse um telefone “celular” que estivesse pronto para responder, se você soubesse o “número”… Se pudesse marcá-lo, você poderia ligar e falar com todas elas ao mesmo tempo. Todas elas pegariam o telefone, e seria você do outro lado. Isto está incorporado nelas e não atende a linearidade.

(Nota de Patrícia: é como se Kryon fizesse um trocadilho brincando com o significado de “celular” em inglês Cell que como aqui no Brasil é designado tanto para o aparelho quanto paras as células e acho que em Portugal não daria muito certo pois, se não me engano, tem outro nome e seria Telemóvel, porém entendi que ele está brincando com o sentido das palavras).

A comunicação com as células do corpo é uma comunicação multidimensional, mas sua consciência humana também é multidimensional. É parte do campo do DNA e faz parte do Merkabah do seu corpo. Eu vou te dizer o que um intuitivo pode fazer: Ele poderá ver sua alma, literalmente, através do campo de Merkabah e saber se você ativou qualquer parte em algum grau com a intenção espiritual ou se você está apenas fingindo.

Qual seria a intenção pura?

Ok, falarei sobre isso à sua maneira e vou usar este exemplo novamente: quando se apaixonam por alguém e se somam em seus olhares, dois amantes olhando um para o outro, não há nada como isso!

Você pode sentir Deus ai? Você se lembra? (Kryon sorri) Você pode sentir Deus ai? 
Claro! Você nem percebe! Você compreende por que estar apaixonado é tão surpreendente? Porque Deus está lá!

Você percebe que não é Sináptico? Você compreende não é?

Na verdade, o cérebro está realmente frustrado porque você se apaixonou!

Ele diz: "Você sabe que tem que se alimentar melhor."

E você responderia: "Sim, mas eu estou apaixonado"!

"Bem, você precisa raciocinar melhor".

"Não consigo eu estou apaixonado!"

"Por que você está colocando seus sapatos no congelador!?" (Risos).

"Porque eu estou apaixonado! Eu esqueci."

É isso que é.

Então quando você mira alguém em seus olhos e diz: "Eu te amo", e se você estiver apaixonado e com a intenção pura, então você abre seu coração para o outro e ele compartilha o mesmo e, desta forma, estarão então entrelaçados como se fossem um só. E não há nada como isso!

Agora, eu quero que você faça o mesmo voltando-se para dentro de si mesmo. Há uma parte divina de você que está apaixonada por você, esperando que você diga: "Eu te amo"!

E saberá se realmente você está dizendo com intenção pura. Se você não está apaixonado por uma pessoa, mas ela quer ouvir isso de você, e por isso você diz: "Eu te amo" (só para satisfazê-la), não será o mesmo! Você sabe que não é o mesmo e nunca será. A magia não está ai, a conexão não acontece, pois o entrelaçamento não acontece, pois são apenas palavras.

Então, se você praticar o que estamos ensinando hoje, de forma pura, você vai conseguir o número correto do telefone celular.

Mas você tem que se apaixonar por si mesmo e honrar o seu corpo a ponto perceber que ele é parte da criação de Deus em você e que sem ele não haveria iluminação. Sem consciência não haveria nada, precisa funcionar bem e deseja que seja assim! E aqui está a oportunidade.

Anos atrás, você ouviu sobre os gurus indianos. Eles podiam controlar coisas em seu corpo que eram supostamente automáticas em seu corpo. Eles estavam no controle e podiam reduzir suas batidas cardíacas, respirar de forma mais lenta, eles conseguiam controlar certas coisas no corpo que ninguém acreditava que se podia controlar. Eles estavam falando com uma parte de seu corpo que ouviu e se adaptou. Eles sabiam como. E você também sabe.

Então, sabendo disso, o que vem depois?
Serão dadas apenas duas premissas:

Número um, que o contato com a parte divina de que você cria um caminho para, em seguida, “ligar para as suas células”, C.E.O. – as células estão ouvindo.

Elas nasceram com você e estão prestando atenção ao que você quer. Elas estão esperando para que a consciência humana lhes dê as instruções. Nós vamos falar sobre isso em um minuto. Agora, como é que você deve fazer? Agora que você sabe que elas estão esperando, como é possível? O que você diria?

Alguns ainda acreditam que compreenderam o processo, eles estão certos disso, eles são Trabalhadores da Luz, talvez da “Nova Era”, e eles acham que compreenderam tudo e eles têm um processo para isso.

Aqui está o que eles fazem: Você tem que falar com as suas células em voz alta e dizer exatamente o que você quer e você tem que fazer isso várias vezes e todos os dias.

Isso parece certo para você? (Kryon sorri)
Alguns dizem sim!

Pense bem, eu quero que você perceba o que está fazendo!

Será que você não está aplicando um atributo humano linear a um sistema multidimensional que é belo e que está além de qualquer coisa que você possa imaginar? É o que se chama “a inteligência inata” ou o “inato”. E não vai responder a repetições!

(nota de Patrícia: o que Kryon quer dizer é que não é necessário repetir todos os dias o mesmo pedido ou processo, uma instrução foi dada e então dê tempo para sua estrutura celular implementar isso, portanto confie que vai acontecer, garanto que dá certo!)

Vamos falar mais sobre o Inato. Você está pronto para falar com um sistema que não tem lhe ouvido ultimamente. Não na verdade. Há uma nova energia neste planeta, Trabalhadores da Luz, velha alma, ouça-me:

Seu kit de ferramentas está sendo atualizado e está pronto para você ouvir isso. Você pode fazê-lo! Eu não lhe daria qualquer coisa que você não pudesse fazer. Você pode contatar suas células e elas irão reagir. Eu vou te dar essa informação em um momento.

Eu quero mostrar isso de uma forma linear. Vamos falar sobre o seu melhor amigo, e cada um de vocês tem um melhor amigo pelo menos, talvez seja o seu parceiro, talvez não.

É alguém com quem você pode se sentar e conversar e não existem parâmetros nem regras, pois vocês podem dizer o que quiserem, podem abrir seus corações e vocês ouvirão um ao outro! Fazem isso um pelo outro… Pois são melhores amigos.

Quero te perguntar uma coisa. Digamos que você está com o seu melhor amigo e passarão três dias juntos. E acontece isso: Nestes três dias, você acorda de manhã, ambos sentam à mesa, comem alguma coisa e você dá as mesmas informações do dia anterior novamente e também no dia seguinte e de novo. (Kryon ri)

Isso não parece funcionar não é? (Risos)

Bem, e não funcionará com o sua estrutura celular. Você sabe o que eu quero dizer? Suas células são você! O que você diz para si mesmo? Suas células estão ouvindo: C – E – O.

Você está pronto para isso! Elas estão prontas para isso, elas o têm ouvido desde que você nasceu esperando o momento em que você despertaria para essa possibilidade de que seria capaz de falar com elas. Então, vamos fazê-lo.

E o que poderia dizer? Então, como você faria?

Primeiramente quero lhe dizer que elas entendem o seu idioma. (Kryon sorri). Pois é parte de você e você pode falar como preferir: em voz alta, ou em pensamento, ou por escrito, não importa, porque você tem o seu "número", e a chave é o amor.

Você precisa amar a sua estrutura celular o suficiente para ser capaz de dizer: "Eu te amo" e elas saberão se é verdade. Não pode ser mais simples que isso e, no entanto, não poderia ser mais difícil!

Você se senta por um momento.
O que você diz? O que vai acontecer?

Quando o corpo começa a te ouvir, passa por alguns processos. 
Deixe-me dizer-lhe o que são e dar um exemplo de comunicação e, em seguida, concluir.

Eu quero que você saiba algumas coisas: Quando você começa a falar com sua estrutura celular e “tem o número correto”, a primeira coisa que vai acontecer é uma enorme quantidade de arrepios. Você saberá que você conseguiu querido. Você vai descobrir. E saiba que isto serão as células de seu corpo comemorando.

Celebrando!

O corpo ou a inteligência inata, ou como queira chamar, é parte de você, e está comemorando: "Vocês ouviram isso”? Nós temos uma comunicação!!! (Kryon está eufórico)

Sim, levou muito tempo! Vamos fazer uma festa! E, embora isto seja metafórico, e que pareça bobagem, eu lhe digo o que acontece. O corpo fica eufórico e sente alegria.

Você sabia que a inteligência Inata se sente grandiosa quando você fala com ela? Aqueles que lidam com a saúde, conhecem bem a sensação de ser saudável. Seu corpo inteiro se alegra com cada passo, a cada respiração! Esta é a inteligência inata comemorando.

E você começa a falar com ela. E todos esses anos ela estava ouvindo, esperando para conversar, e sem diretivas fez o melhor possível, ou seja, seguiu a média, você sabe, não é? Eu falei da lei da normalidade, e o meu parceiro ensinou sobre a curva da normalidade (curva em forma de sino ou Lei de Gauss).

Sem instruções, o seu corpo simplesmente segue o que é a média, fazendo aquilo que sabe fazer. Com suas instruções, você estará no controle. E não pode ser mais fácil. A primeira coisa que ele faz é comemorar e em seguida começa a trabalhar.

Eu quero falar sobre isso, o de como é começar a trabalhar.

De acordo com as coisas que você está comunicando para sua estrutura celular, tanto para a sua saúde ou sua cura ou para rejuvenescimento, não importa o que seja, você tem que dar tempo ao tempo ao corpo.

Há um problema prático que você tem que entender, porque essas coisas só podem ser alcançadas através da divisão celular e que vocês chamam de regeneração e rejuvenescimento. Seu corpo é feito para rejuvenescer e a maioria dos órgãos do corpo, incluindo a pele se rejuvenesce. Em um período de tempo, você estará com novas células. É assim que você se mantem vivo.

Quando você começar a falar com sua estrutura celular, essas instruções irão como informação para o DNA e será aplicado no próximo ciclo de rejuvenescimento. E por isso você não terá os resultados no dia seguinte. E isto é o senso comum.

Tenha o bom senso espiritual que ao aplicar pela primeira vez a ideia de que em sua linearidade, sua estrutura celular, leva tempo para conseguir a cura. Nem todas as coisas estão alinhadas para uma remissão espontânea, o que é outra história. Faz sentido, certo?

Então, você começará a sentir ao longo do tempo, e as coisas nas quais estão trabalhando ou estão requisitando irão começar a aparecer com o tempo.

Há uma terceira coisa que eu quero dizer a você, para a qual você não está preparado.

Quando você começar a falar com as suas células, a inteligência inata saberá que sua consciência tornou-se benevolente, saberá que você quer e deseja ficar, e há sistemas automáticos que serão ativados para melhorar outras partes do seu corpo que você nem havia pedido para ser melhorado.

Você vai iniciar um processo de prolongamento de sua vida. E a cura e o equilíbrio irão começar a acontecer em áreas na qual a sua consciência não tinha ideia, mas a sua inteligência inata sabe tudo. Você despertou a ponte entre a consciência humana e a estrutura celular.

É fácil, mas você precisa se apaixonar!

Imagine por um momento que você se sente sozinho e talvez fale em voz alta e, então, fará o primeiro contato. (Kryon sorri).

Independentemente de sua idade, sendo jovem ou não, você pode reconhecer que você está realmente apaixonado pela parte divina em você? Talvez até mesmo você possa visualizar a face divina em você, pode imaginar talvez a sua eternidade em cada célula do seu corpo e perceber que a sua estrutura celular está à espera para te ouvir.

C – E – O > As Células Estão Ouvindo

E então você começa e você percebe que agora você tem o número de telefone de suas células. E você pode sentir e até mesmo antes de abrir sua boca você começará a sentir os arrepios porque a conexão acontece e agora elas estão realmente ouvindo.

E a primeira coisa que você pode dizer é:

"Nós nos conhecemos um ao outro e eu te amo.
Sinto muito ter demorado tanto tempo para perceber isso.
Eu quero que inicie o processo o qual você conhece e eu não.
Eu quero participar na benevolência para criarmos um ser humano mais saudável e uma vida mais longa.
Eu gostaria que falassem comigo de todas as maneiras possíveis e que eu possa reconhecer.
Eu quero que estejamos de mãos dadas para o resto de minha vida.
Se houver qualquer coisa inadequada, um desequilíbrio químico no meu corpo, eu quero que vá embora com o tempo e com a ação apropriada.
Eu reconheço que eu tenho hábitos que podem estar me matando e eu quero mudar isso.
Eu percebo que eu tenho uma péssima proporção em meu peso e altura. (Kryon sorri)
Como posso explicar isso, com benevolência e gentileza.
Querida Estrutura Celular, eu quero que o meu metabolismo reflita minha magnificência.
Ajude-me a ter o peso ideal para uma saúde melhor.
Faça as alterações que forem necessárias, recorra ao registro Akashico, se necessário, lembrando-se de quem eu costumava ser.
Altere minhas preferências alimentares, se necessário.
Para aquilo que meu corpo anseia e precisa e não o que eu quero e desejo.
Traga isso para um lugar de divindade equilibrada e eu prometo que conversarei com vocês todos os dias… Porque eu te amo.
E então não desligue o “telefone”.
Não corte essa comunicação."

Agora, se você analisar esta canalização, você vai notar que sua consciência nunca disse especificamente nada ao corpo, porque a inteligência inata sabe o que fazer. Ela só está esperando sua ligação. Você está pedindo equilíbrio e a inteligência inata sabe o que fazer.

A parte inteligente do seu corpo pode até mesmo entrar em contato com o seu registro Akashico. Você pode trazer as peças precisas e adequadas para que haja saúde, para que haja mudança e você deixe hábitos que você não deveria ter. Tão simples como comer demais ou outras coisas que se tornaram hábitos.

Isso pode mudar muito, muito rapidamente, em um par de ciclos de rejuvenescimento celular, criando diferenças reais no que você quer comer, sem sofrimento, sem sentir fome, porque ela trouxe o passado em que você não tinha os hábitos que tem hoje. Esse é o poder para você!

C – E – O

Alguns de vocês irão começar a fazer isso e obterão resultados rapidamente. Eu quero dizer-lhe que, se você for um deles, a sua tarefa é mostrar aos outros como você fez. Porque isso não vai necessariamente acontecer durante a noite porque alguém ouviu essa mensagem. Você tem que mostrar a eles o que você fez.

Finalmente, velha alma como você, se sente sabendo que você tem um amigo em seu interior, que é capaz de adicionar mais e mais anos à sua vida?

Tudo isso de maneira apropriada para o plano que você estabeleceu para a Terra: quem você será da próxima vez, quando deverá ir ou partir. E tem a ver em se manter saudável enquanto estiver aqui. E isso está longe de ser a curva normal. (Kryon sorri). Isso é o que você pode fazer.

Haverá outra canalização, em outro momento, sobre a forma de reconhecer o que seu corpo lhe diz. Porque você não, necessariamente, fala a línguagem dele e você deve compreender por meio de alguns processos como ele responde, para que você possa dar melhores instruções. É um ciclo.

A canalização de hoje foi dada em lugar muito sagrado, para criar novas ferramentas para você.

Porque chegou a hora.

E assim é

KRYON

Canalização ao vivo de Kryon por Lee Carroll
Universidade Delphi, Geórgia, EUA

Tradução Patrícia Valente – patriciavalente9@msn.com
Áudio site oficial em inglês: http://www.kryon.com/ cartprodimages/2014% 20downloads/download_Delphi_ 14.html
Texto em Kryon por Lee Carroll Autorizado em espanhol:
https://groups.google.com/forum/#!topic/grupo-circulo-orbes-de-luz-/67IYeCevM84
www.manantialcaduceo.com.ar/ libros.htm


IMHOTEP - significa "O Sábio que veio em paz"

Gênio do Antigo Império Egípcio na Terceira Dinastia (2686 – 2613 a.C); Arquiteto de Saqqara, a primeira pirâmide construída. Primeiro Ministro e Sumo Sacerdote do culto a Ptah. Além de Arquiteto, era também Médico, Astrônomo, Filósofo e Poeta, considerado uma divindade pelos egípcios, pelo seu dom na Medicina.


O Caduceo, que hoje é usado como símbolo da Sociedade Médica, era sua vara de poder e energia. Caduceo é um bastão com duas serpentes entrelaçadas. O bastão significa a Coluna Vertebral Humana, que segundo Imhotep, possui sete chacras [centros nervosos]. As duas serpentes entrelaçadas, significam as duas polaridades da carga elétrica e movimentos opostos, que correspondem ao Universo dual. Com esse bastão, Imhotep media a quantidade de energia vital que um ser humano processa em seu interior.

Descobria assim, se a pessoa tinha um desequilíbrio celular eletromagnético. E conseguia neutralizar os pares de partículas, com cargas opostas, da coluna vertebral, levando ao equilíbrio, cura e até mesmo à iluminação.

Para a construção de Saqqara, Imhotep determinou a localização, lugar estratégico, no Egito, para suas misteriosas finalidade. Construiu a 31 e 32 graus de longitude leste e 29 e 30 graus de latitude norte. Esta área é o principal eixo da malha eletromagnética com 500 V por metro quadrado, na atmosféra.

Imhotep utilizava dessa fonte de energia positiva, captada pelos cristais de quartzo que revestiam a Pirâmide Saqqara e geravam constantes ondas radioelétricas. Todo o complexo era um imenso circuito eletrônico construido em pedra e circundado por um muro que facilitava a captação de energia pela pirâmide.

A construção de Saqqara se deu em três etapas e finalizou como um corpo de um ser humano. Na primeira etapa, foi construída a Coluna Vertebral do Complexo. Na segunda etapa, foi construída uma pirâmide escalonada subterranea, que geravam ondas eletromagnéticas, facilitando o transporte dos enormes blocos de pedras utilizadas.

Usaram pilares chamados Djed (pilar de energia) que transferiam entre si, carga de Íons gerados por suas massas de vibração. Era utilizado a força da mente humana para gerar energia, no primeiro pilar. A partir daí, a energia fluía constantemente para as outras.

Na terceira e última etapa, aumentaram as plataformas das faces norte e oeste da pirâmide. Com a conclusão, o obelisco virtual subterrâneo ficou alinhado exatamente no eixo norte e sul da pirâmide.

O objetivo máximo de Imhotep, com a construção de Saqqara, era preparar os humanos para "iluminação". O caminho da perfeição espiritual é individual e intransferível. Ninguém pode evoluir por outra pessoa.

O acesso as câmaras, por seres com mentes primárias, que possuiam um campo elétrico pessoal carregado negativamente, não era permitida. Na entrada, ao interior da Pirâmide, em seu longo corredor, existiam 48 colunas que possuiam um poderoso campo de força que ampliavam os sentimentos dos visitantes.

Dessa forma, entrar com algum tipo de energia oposta, era automaticamente impedida por essa força magnética.

Essa fabulosa Máquina Quântica de Imhotep, tinha por fundamento, aumentar a energia vital [o poder mental] e despertar novos sentidos, como a telepatia e a sensibilidade para perceber a aura de outros indivíduos. Acreditavam também que se posicionassem acima do tempo, perceberiam a cadeia de reencarnações pessoais, já vividas.

Os discípulos de Imhotep aumentavam a frequência de vibração acelerando a evolução espiritual.

Saqqara produzia energia taquiônica, a energia de maior frequência e vibração do Universo. Essa energia é neutra (como a energia do amor) e se compõem de pares de partículas que por terem cargas elétricas contrárias, se anulam e se equilibram.

Por serem neutras, não sofrem resistência e, por isso se movem vinte e sete vezes mais rápido que a velocidade da luz. É a energia do pensamento, que vibra na alta frequência do amor. Vibrando nesta frequência, a mente pode dirigir a energia taquiônica, a energia do pensamento, para elevar a energia vital, realizando curas fantásticas e até salvando-os. Todos os seres e coisas do Universo vibram com frequências diferentes, dependendo do seu nível de evolução.

Os sacerdotes revelaram que o Universo tem dois pólos energéticos: o Amor e o Medo. O primeiro com uma altíssima frequência de vibração e o segundo com uma baixíssima frequência de vibração. O amor é neutro, não tem polaridade, não tem massa.

É energia que pertence ao plano mental e espiritual com livre arbítrio de cada ser, de acordo com sua evolução.

A maneira como Imhotep e seus discípulos viam o Universo foi talhado na pedra, através de hieróglifos. Hieróglifos [escrita egípcia que significa: Hieros, Sagrado e Glifos, Imprimir].

As leis enunciadas por Imhotep, são legados que se tornaram base do conhecimento hermêtico dos Maçons, Rosa Cruzes, Templários e outras Sociedades Secretas.

pt.shvoong.com/exact 
 

IMHOTEP ENERGIA TAQUIÔNICA DA PIRAMIDE SAQQAR 



A Piramide de Saqqara foi a primeira pirâmide construída na Terra após o dilúvio. Foi também a primeira a utilizar blocos modulares de pedra para a construção de um edifício. Em suas paredes estão inscritos hieróglifos com os primeiros textos religiosos da história.

Nela foi construído um enorme complexo subterrâneo de doze pavimentos com câmaras e galerias decorados com os primeiros azulejos de cerâmica criados pelo homem. Nestas câmaras foram encontradas mais de 40.000 urnas, tigelas e vasos de alabastro. Saqqara é um dos maiores mistérios do Egito.

Imothep foi o arquiteto da piramide e seu nome significa "o sábio que veio em paz". Sumo sacerdote da Escola de Mistérios Olho de Horus e que tem um lugar de destaque na história da humanidade. Ele foi o Primeiro Ministro, Vizir e Chanceler do Faraó Djoser que reinou na Terceira Dinastia. Nasceu em 31 de maio.

Imothep, o filho de Ptah, viveu durante o Antigo Império Egípcio, mais precisamente, na Terceira Dinastia (2686 – 2613 a.C.). Desde muito cedo ele dedicou-se aos ideais da nação até tornar-se Primeiro-ministro e Sumo-Sacerdote do culto a Ptah. Este formidável conselheiro do faraó Djoser também era poeta, astrônomo, mágico, arquiteto e médico (atribui-se a ele os primeiros tratados médicos escritos). 

Imothep tranformou-se numa divindade e foi considerado pelos egípcios do Novo Império como o deus dos Medicamentos. Seu templo pode ser considerado como o primeiro hospital da humanidade. Ele cunhou a declaração: "… comam, bebam e sejam alegres pois amanhã todos nós morreremos".

Imothep diagnosticou e tratou mais de 200 disturbios: 15 s do abdômen, 11 da bexiga, 10 do reto, 29 dos olhos e 18 da pele, cabelo, unhas e língua. Ele tratou de cálculos biliares, apendicites, gota, artrites e fez algumas cirurgias. Também era de seu conhecimento a posição e a função dos órgãos vitais do corpo humano, bem como, da circulação sangüínea. Apesar de sua genialidade na área médica, ele ficou mais conhecido como idealizador da primeira pirâmide construída pelos egípcios: Saqqara.

Imothep foi também o primeiro filósofo da história da humanidade. Dedicou-se a analisar conceitos fundamentais como espaço, tempo, volume, a natureza das doenças, a existência de Deus e a imortalidade.

Astrônomo e astrólogo, ele criou o primeiro registro sistemático da abóbada celeste deixando-nos os primeiros mapas das constelações. Demonstrou o seu conhecimento dos equinócios ao usar as mudanças de Era para determinar as etapas da revelação no desenvolvimento espiritual da civilização egípcia. No entanto, foram as sua qualidades como médico que o converteram em um semideus.

Imothep conhecido pelos nomes Esculápio Hermes Trismegistrus

Ele curava elevando a freqüência vibratória da aura ou campo eletromagnético da pessoa. Isto restabelecia o equilíbrio dos chacras permitindo que voltassem a fornecer a energia vital necessária aos órgão afetados, a verdadeira causa de todas as doenças.

O Caduceo símbolo da Sociedade Médica, era a sua vara de poder com ela, media a quantidade de energia vital que um ser humano processa no seu interior. 

Assim, conseguia saber qual dos centros energéticos ou chacras utilizar para captar e processar a energia vital e como identificar onde existia desequilíbrio celulares eletromagnéticos. 


O caduceo possui duas serpentes entrelaçadas que se cruzam sobre os sete chacras, os centros nervosos sobre a coluna vertebral que captam e distribuem a energia. Simbolizam as duas polaridades da carga elétrica e movimentos opostos que correspondem ao Universo dual. Em seu centro há uma coluna formada por pares de partículas com cargas opostas que se neutralizam e equilibram, a única maneira de se chegar à "iluminação".

Representa a kundalini, a força vital que sobe através da coluna vertebral. Quando este conhecimento desapareceu, a sua forma se conservou como o símbolo para a cura. Através de experiências que utilizam a sua forma como uma bobina elétrica, tem-se descoberto que ela possui características misteriosas. Quando se aplica uma corrente elétrica não se detecta nenhum campo de força embora os seus efeitos sejam comprovados pois é gerada uma ressonância em todas as freqüências e comprimentos de ondas. Pode ser usado como emissor e receptor de sinais radioelétricos. 

Imothep misturava a magia com a medicina. Sua fórmulas e remédios estão cheios de rezas e encantamentos pois ele acreditava que a medicina não curaria sem que recebesse poder através da energia da palavra. Seus textos e ensinamentos passaram secretamente de geração em geração durante milênios.

São a base dos conhecimentos Gnóstico, Templário, Rosa Cruz e Maçom. Os gregos os chamavam de princípios herméticos. Entre os diversos textos deixados por Imothep, um deles (Caibalion – Obs: Kybalion) fala dos sete princípios fundamentais do Universo. Neste texto afirma que o Universo existe na mente de Deus.

Que cada homem é único com seus pensamentos e com capacidade de pensar individualmente e que a realidade é um grande sistema onde todas as coisa tem consciência e estão interligadas. 

O muro na parte sul formava a fachada da chamada Tumba Sur, uma capela falsa, feita em pedra maciça e cuja finalidade era dissimular um dos acessos ao complexo subterrâneo. A capela possui um pequeno espaço interior que tinha um poço vertical que permitia chegar ao sistema subterrâneo longe do acesso que chega à pirâmide.

Na escavação descobriu-se a escada original que dava acesso ao subterrâneo. Os dois poços de acesso vertical, o da pirâmide e o da capela sul, foram encontrados selados com tampas circulares de granito que pesavam mais de 10 toneladas. A capela na superfície era só uma falsa fachada para este acesso. A verdadeira vida de Saqqara estava abaixo da terra. 

Imothep determinou a localização onde se construiria Saqqara para as suas misteriosas finalidades. Está situada na área entre 31 e 32 graus de longitude Leste e 29 e 30 graus de latitude Norte A única área no Egito onde se construiriam pirâmides nos próximos 400 anos. Quatorze quilômetros ao sul do Cairo e ao lado de Memphis, a desaparecida capital do Egito. 


Saqqara fica sobre um do nódulos principais da rede eletromagnética do planeta onde se pode melhor utilizar a energia telúrica para fazer vibrar uma grande massa de pedra. Neste ponto a atmosfera está carregada com 500V/m². Cinco vezes o normal. É um ponto de poder no planeta que aumenta os efeitos da pirâmide que Imothep construiu.

Esta localização era fundamental para que a pirâmide operasse como um condensador elétrico que captava, como uma antena, a energia positiva da atmosfera nos cristais de quartzo dos azulejos de granito que a revestiam externamente. 

A pirâmide foi alinhada com os pontos cardeais. Era circundada por um muro com dez metros de altura, quinhentos e cinquenta metros de comprimento e duzentos e setenta e cinco metros de largura (metade do comprimento). Ele constituia a primeira parte da máquina quântica construída por Imothep.

Todo o complexo era um imenso circuito eletrônico construído em pedra. O muro operava como um cordão eletromagnético que isolava o complexo, fechando e protegendo todo o circuito. Não eram necessários cabos elétricos, bastando apenas que as moléculas do material que lhe dão forma contivessem um alto conteúdo de cristais de quartzo como no granito de Tura, local próximo a Saqqara.

O quartzo organiza as suas moléculas em tetraedros, uma das cinco formas básicas da qual a matéria é constituída e conhecidas como os sólidos Platônicos. Ao vibrar com o planeta, os tetraedros se friccionam entre si produzindo uma carga elétrica. Os oitenta e cinco mil metros cúbicos do muro de granito continham uma enorme quantidade de cristais de quartzo que geravam um poderoso campo de força, uma onda radioelétrica constante. O muro era parte integrante de um captador de energia eletromagnética cujo coração estava na pirâmide escalonada que, com seus sessenta e cinco metros de altura, dominava o complexo. O muro era composto por reentrâncias, cuja sinuosidade geravam pórticos em intervalos constantes. 

Saqqara não só foi a primeira construção monumental com blocos entalhados pelo homem como possui uma série de detalhes arquitetônicos que indicam um conhecimento que nunca foram superados em todo o desenvolvimento posterior à aquela civilização. 

Quinze pórticos iguais escondiam o único que tinha uma porta verdadeira localizado na esquina a sudeste do perímetro. Era um acesso estreito que permitia a entrada de um visitante por vez. Outras capelas falsas eram dispostas em duas séries de treze capelas. Seus muros não produziam qualquer espaço útil no seu interior. Eram apenas uma fachada bem elaborada com refinados detalhes arquitetônicos.

Sua forma disfarçava o verdadeiro propósito de todo o complexo. A intrincada rede de câmaras, túneis e galerias subterrâneas, desenhadas como um enorme circuito eletrônico, produziam um vórtice eletromagnético. Na frente de cada capela falsa, através de uma estreita e tortuosa passagem chegava-se a um pequeno santuário no exterior, onde estariam as representações simbólicas das forças tutelares do Egito, os protetores divinos. Ao lado da face leste da pirâmide situam-se duas construções denominadas Casa Sul e Casa Norte. São duas construções muito maiores que as capelas mas igualmente falsas. 

A construção de Saqqara foi realizada em três etapas planejadas desde o início por Imothep. Elas permitiam que o complexo fosse crescendo e que a pirâmide se expandisse como o corpo de um ser humano. 

A primeira etapa começou com a construção da coluna vertebral do complexo, a escavação do poço vertical da pirâmide que descia até uma profundidade de trinta metros. Doze andares de profundidade que correspondiam a cinquenta porcento da altura total da pirâmide acabada. Nesta profundidade foram escavados centenas de metros de túneis bem como uma série de câmaras e galerias, parte fundamental do sistema. 

Na segunda etapa, uma pequena pirâmide escalonada foi construída sobre o complexo subterrâneo. Seu peso era exatamente cinquenta por cento da pirâmide projetada. A carga elétrica gerada por esta pequena pirâmide foi utilizada para produzir ondas eletromagnéticas que facilitavam o deslocamento de todo o material necessário para a construção do complexo. A partir da parte frontal da pirâmide foram colocados uma série de pilares chamados Djed [pilar de energia] regularmente distanciados.

Estes transferiam, de um para outro, a carga de íons negativos gerados por suas massas em vibração. Cada pilar tinha duas bobinas de arame de ouro enroladas sobre madeira e verticalmente dispostas. A primeira na parte inferior e a segunda na parte superior. 

O pilar era colocado sobre uma cavidade de fibra molhada em água salgada que produzia um excelente contato com a terra. Era necessário que um sacerdote de alto nível de consciência e vibração controlasse a energia da mente de modo a permitir a transferência do fluxo de íons ao primeiro pilar na frente da pirâmide. 

A partir daí a carga elétrica fluía de maneira regular de coluna em coluna, gerando uma avenida eletromagnética até chegar a Tura, a uma pequena distancia de Saqqara, onde se localizavam as pedras de quartzo. Os blocos de granito eram colocados em frente ao último Djed [pilar de energia].

Então o sacerdote a golpeava com a sua vara induzindo nas moléculas de quartzo a mesma carga negativa das ondas eletromagnéticas. As duas cargas iguais se repeliam e o bloco levitava. Este é o mesmo princípio utilizado pelo moderno trem Maglev que usa levitação eletromagnética. 



Desta forma, com a primeira linha de transporte eletromagnética, eles puderam transportar toda a pedra que precisavam para executar a terceira etapa. As quatrocentas e vinte e cinco mil toneladas de pedras para ampliar a pirâmide e as cento e trinta e cinco mil toneladas de granito para o muro externo.

As etapas permitiam usar parcialmente a energia gerada, que aumentaria em cinquenta porcento quando a pirâmide estivesse concluída. A energia total garantiria uma onda eletromagnética que chegaria até Meidum, o ponto médio entre Saqqara e as pedreiras de granito vermelho no Alto Egito.

Esta tecnologia e conhecimento teriam sido herdadas dos Atlantes e se baseiam nos princípios da mecânica quântica que os nossos atuais cientistas apenas começam a entender

O poço foi talhado no granito maciço e teve as suas paredes revestidas com os primeiros ladrilhos do mundo. Um dado importante é que os ladrilhos não foram produzidos a partir de rocha cortada, mas fundidos.

No rio Nilo, perto das cataratas de Assua, na ilha de Sehel, foi descoberta uma lápide com hieróglifos entalhados por Imothep e que contém a fórmula química para fundir um concreto que depois de seco adquiri a aparência e consistência de uma pedra.

Uma equipe de cientista franceses dirigidas pelo químico Joseph Davidovitch, Phd em polímeros, descobriu que a mistura produz um aglomerados com grande número de cristais de quartzo, elemento com a capacidade de produzir eletricidade fazendo-se vibrar sua moléculas.

Jogavam em moldes, conchas trituradas de crustáceos e fosseis, encontrados na planície de Gize, areia com alto teor de quartzo e alumínio, pedra pomes previamente queimada, sais e água. A mistura produz uma soda cáustica que reage com o alumínio da areia do rio produzindo um aluminato de sódio.

Acrescentava-se crisocola, um silício que a converte em silicato sódico de alumínio, e finalmente arseniato de cobre como acelerador integral. Com esta combinação, hoje parcialmente decifrada, fundiram os blocos de pedra para seus templos e pirâmides. Utilizaram os primeiros a serem fundidos como forma para os seguintes e assim conseguiram uma alta precisão nas juntas.

Os azulejos de cerâmica apresentam características de supercondução, não oferecendo resistencia a uma carga elétrica. Certamente, quando todo o complexo entrou em operação, a coluna ondulatória modificou suas moléculas e estas se tornaram neutras.

A cerâmica foi assentada formando uma série de arcos sustentados pela forma que simboliza a coluna vertebral de todos os seres vivos chamada de Djed [pilar de energia]. A forma transmite energia a todo corpo e Ptah, o deus criador do Universo, a tinha em seu bastão de poder .

A mesma forma usada nos pilares que transmitiam a energia gerada na pirâmide e utilizada na produção de ondas eletromagnéticas por onde levitavam os pesados blocos de pedra.


Em volta do poço, na superfície, construíram uma plataforma maciça com os mesmos ladrilhos de pedra que forravam os seus muros. Do lado leste escavaram onze poços verticais que desciam cinco metros abaixo das câmaras já construídas.

Ali, a trinta e cinco metros de profundidade, a partir dos poços verticais dispostos de forma regular surgem onze galerias que terminam por baixo de pontos chaves sob as câmaras azuis situadas cinco metros acima. Nestas galerias foram encontrados mais de quarenta mil vasos de cristal e alabastro.

Milhares deste vasos vibravam gerando a nota Fá que é a freqüência de vibração própria do planeta. As galerias era os ressonadores da pirâmide. Nelas se produziam o som que invadia toda a pirâmide. 

Uma vez concluída a construção subterrânea, fecharam a boca do poço com umas plataformas escalonadas convertendo-o em um obelisco subterrâneo virtual cuja ponta piramidal aparece na superfície. As plataformas se assemelhavam as Mastabas.

As Mastabas eram montículos de terra utilizados como túmulos reais. Isso fez com que a pirâmide fosse confundida com um túmulo. Hoje se consegue ver a plataforma porque esta ficou visível, sob a capa de azulejos da parede escalonada, devido a ação do tempo. 

Começaram a segunda etapa com a construção da primeira pirâmide após o dilúvio. Uma pirâmide escolada com cinquenta porcento em volume e peso do projeto final. Sobre a plataforma inicial que cobria o poço vertical construiu-se quatro níveis com onze metros de altura cada um sob a forma escalonada.

Esta primeira pirâmide media quarenta e quatro metros de altura e consistia numa grande massa de ladrilhos fundidos que continham uma grande quantidade de cristais de quartzo. A massa de quartzo quando submetida a tensão mecânica constante gerava uma carga negativa por efeito piezoelétrico.

A massa de pedra se convertia em um imenso condensador de energia negativa. Existem dois tipos de quartzo. Os que ao vibrar produzem uma carga elétrica negativa, denominados Levogiros e usados por Imothep na pirâmide, e os que produzem uma carga elétrica positiva, denominados Dextrogiros, também utilizados nas louças de granito de Tura que cobriam a superfície da pirâmide. 

Imothep afirmou que a terceira lei do Universo é que "tudo vibra, tudo se move, nada está inerte, tudo está em movimento". É a freqüência de vibração das partículas constitutivas da energia que determina os diversos estados da realidade, a densidade da matéria, a mente e a altíssima vibração do espírito.

Quanto maior a freqüência de vibração, mais elevado o nível de consciência, de informação, respeito e mais avançado no caminho evolutivo. Tudo vibra, desde a mais baixa matéria até o espírito puro. Esta é a lei que determina a existência dos diversos tipos de energia dependendo de seu nível vibratório.

Energia elétrica, química, magnética, gravitacional e a energia taquiônica como a produzida por Saqqara. 

O revestimento exterior era composto de azulejos de granito de Tura que, por possuirem quartzo Dextrogiro, geravam carga elétrica positiva. Este revestimento foi aplicado sobre uma camada de pedra pomes que atuavam como material isolante entre os blocos de rocha do interior, que geravam carga elétrica negativa, e o revestimento exterior.

Os blocos de pedra pomes eram cortado de modo a produzir paredes quase verticais que, após revestidas, apresentavam uma inclinação de setenta e três graus acima das plataformas de superfícies quase horizontais, com uma inclinação de vinte e dois graus. A pirâmide armazenava duas cargas elétricas opostas. 

A quarta lei diz que tudo é dual, tudo tem polaridade, nesta realidade tudo tem o seu oposto que é idêntico em natureza porém diferente em grau. Os extremos se tocam. Os dois pólos são os extremos da mesma coisa. Calor e frio são opostos mas são realmente o mesmo, os dois pólos de uma coisa chamada temperatura. Luz e escuridão, grande e pequeno, mole e duro, branco e preto, ruído e silencio, alto e baixo. 

A pirâmide com degraus de quatro níveis tinha um volume de duzentos e oitenta mil metros cúbicos de pedra que pesavam quatrocentos e cinqüenta mil toneladas. Cinqüenta porcento do volume e peso da pirâmide final. 

Na última etapa da construção, aumentaram as plataformas das faces norte e oeste da pirâmide e mantiveram inalteradas as faces sul e leste.

Se isto não tivesse sido planejado desde o início, teria sido mais fácil aumentá-la igualmente nos quatro lados. Com esta etapa concluída, o obelisco virtual subterrâneo ficou alinhado exatamente no eixo norte e sul da pirâmide.

A base passou a medir cento e quarenta por cem metros e atingiu uma altura total de sessenta e cinco metros devido ao acréscimo de dois níveis na pirâmide final. Isso duplicou o volume para quinhentos e sessenta mil metros cúbico de pedra que pesavam novecentas mil toneladas.

Os acessos também confirmam que as etapas de expansão haviam sido planejadas por Imothep desde o início. As pirâmides posteriores a Saqqara foram cada vez mais volumosas e pesadas até culminarem na pirâmide de Keops que pesa seis milhões de toneladas.

O peso, desde que é proporcional a massa que será submetida à vibração, determina a quantidade de energia gerada pela pirâmide. Este volume de pedra gira sobre o eixo da Terra a uma velocidade constante e possui a forma piramidal para que possibilite a extração de energia da sua massa, aproveitando-se da vibração natural do planeta, sua freqüência constante de vibração e giro. 

Dentro do obelisco virtual movia-se verticalmente uma bobina elétrica formada por um fio de ouro enrolada sobre uma madeira isolante. Ao subir e descer, gerava um efeito pulsante em todo o campo magnético da pirâmide podendo induzir mudanças na freqüência de vibração da coluna energética.

O poço se convertia em uma cavidade ressonante. Nos quatro cantos do obelisco virtual subterrâneo ainda existem as grossas vigas de madeira dispostas a quarenta e cinco graus e que tinham a finalidade de sustentar a bobina e permitir que ela se deslocasse verticalmente. Essa bobina podia controlar a longitude das ondas produzidas.

A freqüência de vibração se elevava ao deslocar a bobina para cima até atingir a máxima amplificação. A bobina controlava o momento de descarregar a energia acumulada nas moléculas de quartzo da pirâmide em cerimônias programadas e que, por uma razão de equilíbrio, realizavam-se nos dias de equinócio. Os sacerdotes Egípcios provaram que as pirâmides são objetos em movimento perpétuo e que todo movimento pode transmutar-se em energia. 

O último passo foi construir o muro perimetral e as obras da superfície. As capelas falsas e o pátio das Serpentes. A esta obra foi dedicado muito tempo, esforço e recursos humanos e materiais, mas o retorno valeu o investimento. 

O caminho da perfeição espiritual é individual e intransferível. Ninguém pode evoluir por outra pessoa. Por isso, em Saqqara, só passava uma pessoa por vez através da entrada de acesso ao complexo. Saqqara nunca possuiu uma porta em sua única entrada.

A tecnologia aplicada restringia o acesso dos seres com mentes primárias, os que possuíam um campo elétrico pessoal carregado negativamente. Na entrada, o comprido corredor e a galeria com quarenta e oito colunas possuíam um poderoso campo de força que ampliava os sentimentos do visitante, de modo que se existisse odio, medo ou insegurança em seus corações, sua própria angustia ampliada impedia que penetrassem no complexo. 


A galeria dava acesso ao salão transversal das oito colunas unidas entre si por blocos de pedra e que marcam a saída para o grande pátio das Serpentes. A piramide ficava no lado norte deste pátio. 

Cada porta possuía um friso horizontal decorado por uma cobra. A serpente sagrada simbolizava a dualidade devido a sua língua bifurcada e seus órgão sexuais duplicados. Representava também a determinação para alterar a existência, para começar uma viagem evolutiva independente e tomar as suas próprias decisões. Era a fonte da origem do movimento. 

A partir do acesso na Tumba Sul se chega às câmaras e galerias subterrâneas e a um túnel que termina exatamente abaixo da galeria de acesso. A planta de todo o complexo parece um processador central de um computador. 

Saqqara foi a primeira experiência com a forma piramidal para aplicar e aperfeiçoar uma tecnologia quântica cujo objetivo era acelerar o aperfeiçoamento espiritual dos discípulos da Escola de Mistérios do Olho de Hórus. A partir de Saqqara, foram construídas diversas pirâmides no Egito, culminando com a grande pirâmide de Quéops. Estas eram máquinas com o objetivo de produzir colunas estacionárias de energia que permitiam elevar a freqüência de vibração dos iniciados. 

Isso aumentava a energia vital, o poder mental e despertava novos sentidos tais como a telepatia e a sensibilidade para perceber a aura de outros indivíduos. Permitia que a consciência se posicionasse acima do tempo e percebesse a cadeia de reencarnações já vividas. 

Através da tecnologia utilizada em Saqqara foi possível aumentar a freqüência de vibração dos iniciados, acelerando a sua evolução espiritual. Permitiu aos discípulos de Imothep verificar a existência de outras dimensões, contatar seres nestas dimensões e receber informações de mestres ascendidos. 

Saqqara produzia energia taquiônica, a energia de maior freqüência e vibração do Universo. Esta energia é neutra e se compõe de pares de partículas que por terem cargas elétricas contrárias se anulam e se equilibram. Por serem neutras, não sofrem resistência e se movem vinte e sete vezes mais rápido do que a luz.

É a energia do pensamento que vibra na alta freqüência do amor. Vibrando nesta freqüência, a mente pode dirigir a energia taquiônica, a energia do pensamento, para elevar a energia vital realizando curas fantásticas e até salvando-os. Todas as coisas e seres do Universo vibram com freqüências diferentes dependendo do seu nível de evolução.

Saqqara gerava um campo eletromagnético elevado e sons que vibravam em diferentes freqüências. Sua forma e arquitetura produziam e captavam energia. Emparelhava as partículas elétricas convertendo-as em uma coluna ondulatória estacionária de energia taquiônica.

A pirâmide produzia diversas freqüências permitindo que discípulos com diferentes níveis de evolução pudessem entrar em sintonia e vibrar com uma freqüência mais elevada que a que tinha no momento. Isto potencializa seus níveis de energia vital, sua aura ou seu campo eletromagnético pessoal.

Simultaneamente recebiam uma preparação intensa que, após os seus vinte e um anos de vida, permitia-lhes elevar sua consciência às dimensões superiores da realidade. Ao manipularem, em seu interior, níveis superiores de energia vital na freqüência da vibração do amor surge a telepatia e se adquire sensibilidade para perceber a musica das esferas, a dança das partículas subatômicas que formam a aura, o campo eletromagnético que cada ser humano produz em torno do corpo.

Saqqara acelerava este processo de evolução espiritual pois permitia que os indivíduos experimentassem temporariamente um aumento gradual na sua freqüência vibratória. Através da meditação e informação para viver em paz e harmonia, respeitando tudo que existe ao compreender que tudo está vivo e interrelacionado, a freqüência de vibração experimentada se tornava permanente.

Os discípulos mais evoluídos, que mantinham mais alto nível de vibração, podiam movimentar sua consciência no tempo e no espaço e ver a corrente de reencarnações que lhes permitiu chegar ao seu nível atual. Podia ver e perceber realidades alem da terceira dimensão.

Ao constatar estas realidades, Imothep pode enunciar no Caibalion que "como é em cima, é em baixo", que existe uma correspondência entre os diversos planos da realidade. O plano físico, o mais evidente aos nossos limitados sentidos, pode ser analisado para descobrir verdades sobre os outros planos da realidade que não percebemos. Em Saqqara demostrava-se que os objetos vibrando em altas freqüências perdiam peso, não sendo afetados pela gravidade, e que os seres humanos levitavam. 

Os sacerdotes revelaram que o Universo tem dois pólos energéticos, o amor e o medo. O amor tem uma elevadíssima freqüência de vibração e o medo uma baixíssima freqüência de vibração. Os seres pouco evoluídos, que não receberam muita informação, possuem baixa freqüência de vibração e em suas vidas prevalece a dor e o medo.

Os seres que passaram por muitas reecarnações aprenderam muito com as suas experiências e decisões. Vivem em mais harmonia e entendem o significado do amor, vibrando na sua freqüência e chegando ao céu da vida. O amor é neutro, não tem polaridade e vibra em elevadíssima freqüência. Sua energia, que não tem massa, pertence ao plano espiritual e mental, onde existe com a vontade do observador. 

O poço central de Saqqara possui uma abertura de dez por dez metros e trinta metros de profundidade. Existe uma teoria que afirma que as pirâmides formam uma imagem espelhada delas mesmas. Uma forma virtual que se projeta em baixo da terra em que foi construída.

Ali se produziria uma série de efeitos relacionados com o conceito denominado anti-matéria. Através de uma câmara situada sob a pirâmide, entra-se numa realidade paralela oposta ao mundo físico. Seria o seu espelho eletromagnético. Ali o tempo avançaria ao contrário. 

A partir da base do poço perfuraram, na rocha sólida, um imenso complexo de corredores e câmaras. Escavaram um número progressivo de câmaras em direção aos quatro pontos cardeais. A primeira encostada no poço, duas para o leste, três para o oeste, quatro para o norte e cinco para o sul.

Cada grupo de câmaras produzia em seu interior uma freqüência diferente de sons cada vez mais alta e que estavam dentro do campo eletromagnético da pirâmide. Em cada câmara havia milhares de vasilhas de alabastro que vibravam em sintonia com uma mesma nota da escala musical. A forma e conteúdo da vasilhas definiam a freqüência de ressonância sintonizada na câmara. A nota Mi ressoava em cinco câmaras e era usada como nível de entrada para a maioria dos iniciados.

Ali vibravam acima da nota Ré que era a freqüência com que chegavam. Fá era a freqüência de ressonância de quatro câmaras. A nota Sol em três câmaras. A nota Lá era usada nas duas câmaras do lado oeste. Na câmara principal da pirâmide, em um sarcófago de apenas uma vasilha de alabastro, os mais alto iniciados alcançavam a nota Si e dali ascendiam a dimensões superiores. 

Estes espaços são chamados [atualmente] de câmaras azuis, pois são decoradas com ladrilhos de cerâmica em diversos tons de azul turquesa. No seu interior, uma dupla de iniciados, sempre um homem e uma mulher, levitavam sintonizando-se com o nível de vibração cada vez mais alto. 

Imothep escreveu no Caibalion, que a sétima lei do Universo diz que tudo tem gênero, tudo tem sua parte feminina e masculina. O gênero se manifesta em todos os planos do Universo. Ao entrar nas câmaras aos pares, os iniciados obtinham o equilibrio pela neutralização de seus campos eletromagnéticos pessoais. 

Os pares de iniciados entravam nas câmaras azuis para meditar sob o poderoso campo de força da pirâmide enquanto que o som de uma nota musical vibrava em seu redor. Desta forma iam se adaptando a freqüências cada vez mais elevada de vibração e comprimentos menores de onda eletromagnética despertando novos sentidos e tornando-se mais sensíveis à luz.

Ao meditar dentro das câmaras da pirâmide, sintonizados ao som produzidos pelo vasos de alabastro e expostos ao poderoso campo eletromagnético gerado no interior da pirâmide, os iniciados elevavam a sua freqüência de vibração.

Assim obtinham a potencialização da energia vital, aumentavam a aura e possibilitava a verificação de outras realidade. As distintas notas de vibração se sintonizavam com cada chacra, conduzindo pouco a pouco a consciências mais elevadas e experiências além deste plano físico. 

A forma piramidal é fundamental para o funcionamento de uma máquina quântica. As capas horizontais de pedra ao irem diminuindo sua área na parte superior da pirâmide acumulam em seu interior cargas elétricas com potências diferentes.

O mesmo acontece na superfície de granito de Tura. Este fato, os onze poços verticais e o obelisco virtual subterrâneo descentrado do eixo da pirâmide, que por sua exata localização no sentido norte sul sobre um ponto nevrálgico da malha eletromagnética, e que estão sujeitos ao giro do planeta sobre o seu eixo, induzem a carga acumulado a um duplo movimento giratório. As partículas com carga positiva giram no sentido horário e as negativas no sentido anti-horário.

Isto gera um vórtice eletromagnético. Um redemoinho de partículas subatômicas que vão se acelerando pouco a pouco, pois sendo a freqüência constante devido a pulsação regular do planeta, produzem uma ressonância. As duas forças, centrífuga e centrípeta, ao atingirem certa velocidade e freqüência fazem com que duas partículas de cargas opostas e movimentos contrários se emparelhem e se neutralizem e encontrem um novo eixo de giro a noventa graus do eixo da pirâmide produzindo uma coluna ondulatória estacionária.

Esta coluna é formada por partículas subatômicas neutralizadas pelo emparelhamento e que se movem em altíssima frequência. Esta coluna de energia se estende até o núcleo cristalino do planeta e se eleva a centenas de quilômetros sobre a sua superfície até chegar a ionosfera.

São estas partículas neutras e equilibradas que são chamadas de energia taquiônica. Sua neutralidade não encontra resistência nos materiais por onde se propaga. São a base dos fenômenos supercondutivos. Ao acelerar a freqüência de vibração da energia, o vórtice energético na pirâmide a transformava em um tipo superior, a energia taquiônica.

Ela possui a mais alta freqüência e vibração da realidade. E a energia consciente, a energia informação, como a que é gerada e dominada pelo homem em seu cérebro, nos processos de pensamento, ao vibrar no amor. 

A energia taquiônica e as colunas ondulatórias estacionárias foram estudas por Nikola Tesla. Baseou-se nelas para descobrir a corrente alternada e os raios-X, inventar os motor elétrico, o rádio, a televisão, o radar e cerca de mais de um mil e seiscentos inventos patenteados que formaram o século vinte.

A chamada Tesla Coil [bobina de Tesla], é usada nos motores dos carros [bobina de ignição] para converter a tensão de doze volts da bateria, ao ser aplicada no enrolamento de cobre denominado bobina primária, em uma elevada tensão induzida no enrolamento de cobre que compõe a bobina secundária. Em seus estudos,

Tesla concluiu que a energia taquiônica move-se vinte sete vezes mais rápido que a luz. É a energia do pensamento. A teoria de Einstein, na qual a velocidade da luz é de trezentos mil quilômetros por segundo aplica-se apenas a um dos planos da realidade, ao plano físico da densidade material, composto de átomos, elétrons, prótons e neutrons.

Mas o Universo está em três planos, o físico, o mental e o espiritual. Os taquions, a base do Universo dual, são pares de partículas subatômicas em movimento constante a altíssima vibração e freqüência e que, por possuírem cargas elétricas opostas, se neutralizam.

Os taquions são a base dos elementos supercondutores. Sua neutralidade não produz resistência para a carga que avança sobre as suas moléculas. Um elemento composto destas partículas e que vibra a elevada freqüência torna-se sem peso. É pura energia. A mecânica quântica atual revela que estas partículas não tem massa.

São apenas uma tendência a existir e que se medem em probabilidades e que dependem da vontade de um observador do plano mental do homem. Imothep possuía estes conhecimentos e outros mais que a nossa ciência ainda não descobriu. A mecânica quântica e a supercondutividade são avanços recentes da física. 


O vórtice foi utilizado para acelerar o desenvolvimento espiritual dos discípulos da Escola de Mistérios do Olho de Horus, encarregados de dirigir o caminho que elevou o nível de consciência de todo um povo. 


A energia taquiônica da pirâmide elevava a freqüência de vibração e encurtava a longitude da ondas cerebrais, amplificando o poder mental e o campo eletromagnético, a aura, dos seres humanos. Isso permitiu que os iniciados chegassem a níveis superiores do Universo, podendo comprovar a existência de novas realidades, dados com segurança a toda a sociedade.

Ao sintonizar-se na freqüência de seres mais evoluídos, podiam estabelecer comunicação e receber informações. Saqqara foi o primeiro centro de comunicação com as dimensões superiores. As pirâmides possuem uma tecnologia quântica que começamos a descobrir agora, uma tecnologia herdada pelos Egípcios da desaparecida civilização Atlante. Saqqara é a amostra incompreendida de uma tecnologia com a qual nem sequer sonhamos e que apenas começamos a vislumbrar. Tecnologia controlada pela consciência e dirigida a evolução espiritual de todo o povo.

O enorme circuito eletromagnético criado produziu e acelerou as partículas de energia. Converteu energia estática em energia em movimento para depois transmutá-la em energia taquiônica. Em Saqqara usaram pela primeira vez sons e campos eletromagnéticos de maneira simultânea para elevar a vibração dos iniciados com uma tecnologia aperfeiçoada na pirâmide de Queops.

Usaram os hieróglifos para talhar na pedra sua maneira de ver o Universo. Sua visão ficou modelada nas leis enunciadas por Imothep e que são a base do conhecimento hermético dos Maçons, Rosa Cruzes e Templários. 

Imothep escreveu que toda causa tem o seu efeito e todo efeito tem a sua causa. Nada existe por acaso, pois o acaso destruiria o Universo. Pensando nisso Einstein disse que Deus não joga dados.

Transcrição Jc Rincon
estreladoorientesl.com.br

fonte: http://neusarochateles9.blogspot.com/

AMAS – AAnomalia Eletromagnética sobre o Brasil

Agora está claro que a região onde o campo eletromagnético é mais fraco em toda a superfície terrestre, a Anomalia Magnética do Atlântico Sul-AMAS, está se deslocando e se expandindo. Antes restrita ao sul da África, essa área atualmente cobre parte do sul da América do Sul e quase todo o Atlântico Sul e o BRASIL …

Edição e imagens: Thoth3126@gmail.com

Fonte: http://revistapesquisa.fapesp.br/?art=4458&bd=1&pg=1

Análise de fragmentos de tijolos de construções antigas registra enfraquecimento do campo eletromagnético sobre a América do Sul e do Brasil

Carlos Fioravanti - Edição Impressa 185

Durante quatro anos, o físico Gelvam Hartmann coletou e examinou quase 600 fragmentos de tijolos de igrejas e casas antigas da Bahia, de São Paulo, do Rio de Janeiro e do Espírito Santo para conhecer a variação do campo magnético terrestre sobre o Brasil nos últimos 500 anos, um período sobre o qual praticamente não havia informação do ponto de vista geofísico.

Seu trabalho registrou uma inesperada queda na intensidade do campo magnético nas regiões Nordeste e Sudeste e, a partir daí, estabeleceu um método de análise de materiais arqueológicos brasileiros que confirmou ou definiu as prováveis datas de construções antigas, algumas delas sem nenhuma documentação histórica. 

As amostras preparadas vão para o forno: resgate magnético

Ao lado de arqueólogos, arquitetos e geólogos, Hartmann tirou pequenas lascas de tijolos de igrejas e casas coloniais do Pelourinho, no centro histórico de Salvador, com martelo e talhadeira quando era possível ou, quando não, com uma furadeira resfriada a água. Aos poucos, enquanto examinava esse material no Instituto de Física do Globo de Paris (IPGP) e no Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da Universidade de São Paulo (USP), ele construiu a história magnética do Brasil, ao confirmar as datas das construções e associá-las com as respectivas intensidades magnéticas.

Assim é que emergiu uma informação nova – a intensidade do campo magnético, de 36,2 microteslas  – de uma das mais antigas construções do Brasil, (tesla é a unidade de medida da densidade de fluxo magnético) a Catedral de São Salvador, erguida pelos jesuítas entre 1561 e 1591 com dinheiro do terceiro governador-geral do Brasil, Mem de Sá, e um sino trazido de Portugal.

Quase não houve problemas com a maioria das amostras das fundações e das paredes das igrejas de Salvador, mas, estranhamente, a análise de uma amostra da casa do poeta Gregório de Matos, conhecido como Boca do Inferno por causa do sarcasmo com que tratava as autoridades de Salvador, indicou que a construção teria sido erguida em 1830, não entre 1695 e 1700, como os documentos indicavam. Hartmann verificou depois que essa era a data apenas do terceiro piso – construído mais tarde –, de onde ele havia coletado amostras de tijolos quando aquela parte da casa passava por uma restauração. 

“Os geofísicos estão nos ajudando a contar a história da ocupação do Brasil”, reconhece Marisa Afonso, professora de arqueologia e vice-diretora do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP. Em abril de 2004, ela atravessava um longo dia chuvoso no centro regional do MAE em Piraju, interior paulista, quando recebeu um e-mail de Ricardo Trindade, professor do IAG e orientador de Hartmann no doutorado.

De Paris, Trindade a convidava para ajudar a construir a curva de datação de materiais arqueológicos, como ainda não havia sido feita no Brasil, usando registros do campo magnético, nos moldes do que ele já tinha visto por lá. “Quanto mais métodos de datação, melhor, porque as técnicas mais usadas, como carbono 14 e termoluminescência, nem sempre funcionam em todos os casos”, diz ela. “Por sorte tanto Gelvam quanto Ricardo gostam de arqueologia e sabem falar do que fazem de maneira simples.”

Ao mesmo tempo, Hartmann e outros pesquisadores do IAG estão detalhando as variações do campo magnético terrestre, principalmente nas regiões onde é menos intenso.  O campo é gerado pelo movimento do ferro líquido no núcleo da Terra, expressa-se na superfície do planeta, orientando as bússolas, e forma uma barreira invisível a 30 mil quilômetros acima da superfície do planeta que dificulta a entrada de partículas vindas do Sol. Agora está claro que a região onde o campo é mais fraco em toda a superfície terrestre, a Anomalia Magnética do Atlântico Sul, está se deslocando e se expandindo. Antes restrita ao sul da África, essa área atualmente cobre parte do sul da América do Sul e quase todo o Atlântico Sul.  

Campo magnético total da Terra, sobre o Brasil na área azul mais escura (acima) existe a AMAS, a Anomalia Magnética do Atlântico Sul (Anomalia Magnética do Atlântico Sul, AMAS ou SAA do inglês, South Atlantic Anomaly; ), observar que as linhas de campo na região formam uma figura que se assemelha a um bico de um pato, por isso é chamada “El Pato”.

 Saiba mais:  http://pt.wikipedia.org/wiki/Anomalia_do_Atl%C3%A2ntico_Sul

O ponto de menor intensidade dessa mancha está se deslocando para oeste: já esteve no sul da África, e depois no meio do Atlântico Sul, a meio caminho entre o Brasil e a África do Sul. Por volta de 1930 estava perto da cidade do Rio de Janeiro, migrou para o sul e estacionou sobre o estado de Santa Catarina e atualmente se encontra no Paraguai, com uma intensidade de cerca de 22 microteslas (ver mapa).

Algumas consequências são conhecidas: justamente nas áreas onde o campo é mais fraco os satélites de telecomunicações e os ônibus espaciais podem sofrer mais interferências magnéticas, que podem danificar seus equipamentos, tanto quanto, em uma escala menor, um ímã pode desmagnetizar um computador e o fazer perder as informações.


 Os resultados surgiram após uma série de surpresas, nem todas agradáveis. Hartmann conta que se sentiu desarvorado em maio de 2008, logo no início de um estágio de seis meses no laboratório de paleomagnetismo do Instituto de Física do Globo de Paris. Seu propósito era caracterizar o campo magnético do material que tinha levado – fragmentos cerâmicos brasileiros dos últimos 2 mil anos –, mas as coisas começaram a dar errado.

“Yves Gallet, o chefe do laboratório, disse que eu não conseguiria analisar aquelas peças, por não estarem bem cozidas por dentro. Cerâmicas, tijolos, telhas ou qualquer outro material que passou por um aquecimento intenso podem guardar o registro do campo magnético da Terra no momento do cozimento, mas, para isso,  têm de ter sido assados de modo uniforme. Yves me fez uma proposta: ‘Vá para o Brasil, fique lá 20 dias, colete material histórico, de no máximo 500 anos, e volte; te pago a passagem’”, conta Hartmann. 

Ele desembarcou em Salvador, a primeira capital do Brasil. De imediato procurou Carlos Etchevarne, professor de arqueologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) que conhecera em um congresso três anos antes, e Rosana Najjar, arqueóloga do Instituto do PatrimônioHistórico e Artístico Nacional (Iphan) e coordenadora do Projeto Pelourinho de Arqueologia (Monumenta/Iphan). Etchevarne e Rosana o apresentaram a outros arqueólogos, que o ajudaram a coletar fragmentos de tijolos de fundações, paredes ou tetos de 20 construções antigas do Pelourinho. “Nunca tínhamos trabalhado antes com físicos”, conta Etchevarne, “mas conseguimos um diálogo muito bom, rapidamente, com objetivos comuns”.

Outra visão da AMAS, a Anomalia Magnética do Atlântico Sul que está sobre a maior parte do BRASIL. (Satélite ROSAT) – Sobre mudanças do Campo Eletromagnético do Planeta ver mais em:  http://thoth3126.com.br/uma-visao-pessoal/

 Eles selecionaram prédios cuja data de construção já era conhecida por meio de registros históricos ou de pesquisas arqueológicas. A razão é simples: Hartmann precisava de uma referência inicial para estabelecer a data de construção por seus próprios métodos, medindo a intensidade dos resquícios do campo magnético registrado em minerais ferrosos como a magnetita e a hematita, que compõem a argila usada para fazer os tijolos dessas construções.

Tanto quanto a data, lhe interessava a intensidade do campo magnético no momento do cozimento. “O campo magnético da Terra oscila incessantemente, em diferentes escalas de tempo, de milissegundos a bilhões de anos, de modo que fragmentos de construções com idades distintas registram valores do campo também distintos”, diz ele. Clique aqui para ver infográfico

De volta a Paris, Hartmann conta que trabalhou “16 horas por dia, incluindo sábados e domingos”, durante dois meses para determinar a idade e a intensidade do campo magnético do material que havia levado. Com essas e outras amostras colhidas em outra viagem a Salvador, ele confirmou por seus próprios métodos as datas de construções históricas, afinando as técnicas de trabalho. “Esses dados servem de ferramenta de datação de construções históricas”, atesta Trindade, que acompanhou a segunda expedição a Salvador, em dezembro de 2008. Servem mesmo. À medida que dominava a técnica e criava uma associação entre as datas e as intensidades do campo magnético, Hartmann pôde definir a data de construção – entre 1675 e 1725 – de uma casa do Pelourinho, a de número 27, da qual os arqueólogos não tinham nenhuma documentação. 

No instituto em Paris e no IAG, Hartmann preparou 295 amostras de 14 igrejas e casas de Salvador. Depois, na Região Sudeste, percorreu casas de fazenda, igrejas e outras construções de São Paulo, ao lado do arqueólogo Paulo Zanettini, e do Espírito Santo e do Rio de Janeiro, com a arqueóloga Rosana Najjar, e obteve mais 289 amostras de 11 lugares. Hartmann deixou as amostras no formato de cubos com um centímetro de lado. Depois submeteu as amostras ao forno paleomagnético, que, após sucessivos aquecimentos e resfriamentos, resgata a intensidade e a orientação do campo magnético no momento em que a argila foi queimada pela primeira vez. É um método demorado e, por enquanto, de baixa eficiência: Hartmann obteve boas informações de apenas 56% das amostras do Nordeste e de 38% das do Sudeste.

Depois de assar, resfriar e medir no magnetômetro as amostras de cada lugar que visitou, Hartmann construiu as curvas de variação da intensidade do campo magnético para cada região. A do Nordeste exibiu valores decrescentes – em torno de 40 microteslas em 1560 para 25 em 1920 – com uma queda de aproximadamente cinco microteslas a cada século. “É bastante”, diz ele. Os valores das amostras da Região Sudeste apresentaram uma queda mais acentuada, como detalhado em um artigo publicado este ano na revista Earth and Planetary Science Letters, onde em 2010 saíram os dados sobre o Nordeste.

Um campo eletromagnético fluindo sobre os dois polos de seu eixo central Norte e Sul, resultando em um Tórus.

 “Os dois artigos representam uma contribuição fundamental para a compreensão da evolução do campo magnético terrestre nos últimos 500 anos”, assegura Trindade. O geofísico Igor Pacca, professor do IAG e um dos pioneiros no Brasil no estudo do campo magnético terrestre, levantou as informações de milhões de anos atrás, registradas em rochas. As mais recentes, do início do século passado para cá, estão sendo coletadas por observatórios terrestres e satélites.

Ao menos nas primeiras tentativas, essa técnica não serviu para datar pinturas rupestres, nem panelas de barro, que perderam o campo magnético original por terem ido muitas vezes ao fogo, nem as casas dos bandeirantes paulistas, feitas de barro amassado e prensado. Etchevarne acredita que talvez sirva para esclarecer as origens de potes de água, que só passam uma vez por temperaturas altas.

“Um dos próximos desafios é encontrar como datar materiais com mais de 500 anos que não foram tão bem queimados”, diz Marisa. “Já pedi a Gelvam para não desistir. Temos peças de cerâmica de até 7 mil anos para datar.” Hartmann já começou a trabalhar com amostras colhidas em Missões e pretende examinar as igrejas de Minas Gerais o mais breve possível para ampliar as análises da variação do campo magnético entre as regiões do Brasil.

Segundo Trindade, essas análises regionais mostraram que o campo magnético no Brasil está longe de apresentar um comportamento ideal, que pode ser comparado ao campo magnético de um ímã de barra. Nas duas regiões, o campo magnético é complexo e apresenta fortes influências de componentes multipolares – ou não dipolares, como os geofísicos dizem. “Nesses casos”, diz Hartmann, “a agulha da bússola apresenta uma forte deflexão com relação ao norte, que pode chegar a mais de 20°”. Já na França, segundo ele, predomina o campo dipolar, como se a Terra fosse um ímã quase perfeito, e as deflexões com relação ao norte não excedem os 5°.

Campo menos intenso – Para os geofísicos, a queda contínua nos valores do campo magnéticoe o fato de as amostras das regiões Nordeste e Sudeste apresentarem grandes diferenças em intensidade devem estar ligados à Anomalia Magnética do Atlântico Sul (S.A.A. – South Atlantic Anomaly, na sigla em inglês). Regida por campos não dipolares, a SAA é uma ampla região com as intensidades mais baixas do campo magnético – em torno de 28 microteslas (o valor médio do campo magnético da Terra é de 40 microteslas e o máximo, de 60 microteslas). “Por causa da proximidade geográfica, a influência da anomalia é maior no Sudeste que no Nordeste brasileiro”, diz Hartmann.  “A anomalia representa uma área em que a blindagem do campo magnético contra raios cósmicos e partículas solares é mais frágil.”  

Área de atuação da Anomalia Magnética do Atlântico Sul – SAA e o seu deslocamento e crescimento desde 1590. Hoje ela já cobre quase todo o território brasileiro.

Pacca vê a Sama como “uma janela” para partículas de alta energia  conhecidas como raios cósmicos, que podem entrar mais facilmente na Terra através de regiões menos intensas do campo magnético(os Polos). Ele e Everton Frigo, também do IAG, acreditam que os raios, por sua vez, poderiam facilitar a formação de nuvens, fazer chover mais e baixar a temperatura, principalmente sobre as terras cobertas por trechos menos intensos do campo magnético. 

Há muito tempo se sabe que as manchas solares interferem no clima, mas nunca soubemos direito como”, diz Pacca. Quanto mais manchas solares, maior a atividade do Sol – e maior seu campo magnético. Nesses momentos, o campo magnético do Sol age em conjunto com o campo magnético da Terra dificultando a entrada de raios cósmicos. Em períodos de menor intensidade da atividade solar, há menos manchas e o campo magnético do Sol é menos forte. 

“Quando os campos do Sol e da Terra estão com a intensidade mínima, os raios cósmicos entram mais facilmente na Terra, colidem com partículas da atmosfera e geram uma quantidade enorme de elétrons e de outras partículas”, diz Pacca. “Toda a energia criada com as colisões produz uma ionização, que pode favorecer a condensação de vapor de água. Os raios cósmicos podem ser os gatilhos que disparam as reações que levam à formação de nuvens de chuva”, teoriza.  Pesquisadores do Reino Unido e da Dinamarca também defendem essa possibilidade, mas ainda há espaço para outras visões. “Até o momento”, diz o físico Paulo Artaxo, da USP, com base em estudos do Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas (IPCC), de que ele faz parte, “não há evidências sólidas, nem a favor, nem contra, de que possa haver algum efeito de raios cósmicos sobre os processos de formação de nuvens”.

Como essa região menos intensa do campo magnético se forma e como pode reduzir a intensidade do campo registrado em rochas ou tijolos? Ninguém sabe. O que mais pode acontecer em razão dessa queda na intensidade do campo, além das interferências em telecomunicações? Outro mistério. “Einstein já dizia em 1905 que a origem e a evolução do campo magnético terrestre são um dos problemas mais difíceis da física, já que não seguem nenhum padrão”, argumenta Hartmann. 

 O comportamento do campo magnético terrestre é complexo a ponto de já ter apresentado até mesmo reversões dos polos – o polo norte tornando-se sul – a mais recente há 780 mil anos. E existe a possibilidade de mudar outra vez“Apareceu uma anomalia na Sibéria, que está se ampliando e já é mais intensa que o polo nortemagnético”, diz Pacca. Por enquanto, é como se a Terra tivesse dois polos norte, mas o atual polo norte está perdendo a vez e pode surgir outro, mais forte, em milhares de anos.”

Acima Sunspots no Sol: Há muito tempo se sabe que as manchas solares (sunspots) interferem no clima, mas nunca soubemos direito como”, diz Pacca. Quanto mais manchas solares, maior a atividade do Sol – e maior o seu campo magnético.

Pacca montou um dos primeiros laboratórios de paleomagnetismo no Brasil em 1971, no Instituto de Física da USP. Dois anos depois ele reinstalou os equipamentos no IAG, para onde se mudou, como professor convidado, para formar um grupo de pesquisas em geofísica. Como não havia outros materiais para estudar, por muitos anos só rochas entravam lá. Um dos trabalhos mais ambiciosos consistiu na análise da intensidade e da orientação do campo magnético de 10 mil amostras de rochas do Brasil e da África.

Daí saíram detalhes sobre a posição dos continentes na Terra de 1 bilhão de anos atrás, bem diferente de agora: o que corresponde ao atual território brasileiro era uma série de grandes ilhas distantes umas das outras e o bloco de rochas que forma a atual Amazônia estava separado de Goiás e do Nordeste por mares e mais próximo do sul do país do que hoje (ver Pesquisa FAPESP nº 75, de maio de 2002). Hoje, grupos de pesquisadores em 24 países – na América do Sul, apenas Argentina e Brasil – trabalham com geomagnetismo e paleomagnetismo.

Pacca encontrou recentemente o que acredita ser o mais antigo estudo em português sobre magnetismo nas rochas, o Roteiro do Goa a Diu, publicado em 1.538 (Goa e Diu eram domínios portugueses no sudoeste da atual Índia). O autor é dom João de Castro, nobre português que terminou a vida, aos 48 anos, como vice-rei da Índia. Em seus roteiros, ele mostrava como os navegadores deveriam se orientar em alto-mar, valendo-se das (posições das) estrelas e de instrumentos simples como a bússola, para chegar aos destinos desejados. “Se não houvesse campo magnético, não haveria bússola”, diz ele. “E sem a bússola não teria havido grandes navegações, que enriqueceram muitos comerciantes e permitiram a conquista de novos espaços como o Brasil.”

Artigo científico
Hartmann, G.A. et al. New historical archeointensity data from Brazil: Evidence for a large regional non-dipole field contribution over the past few centuriesEarth and Planetary Science Letters. ?v. 306, p. 66-76. 2011.

Saiba mais em:

  1. http://thoth3126.com.br/uma-visao-pessoal/
  2. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-magneticos-a-ciencia-se-dobra-as-profecias/
  3. http://thoth3126.com.br/canada-sons-de-novo-muito-estranhos-sao-gravados-filme/
  4. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-norte-muda-muito-rapido-polo-sul-se-arrasta/
  5. http://thoth3126.com.br/vulcao-cumbre-vieja-mega-tsunami-pode-atingir-o-brasil/
  6. http://thoth3126.com.br/o-cinturao-de-fotons-acelera-as-mudancas/
  7. http://thoth3126.com.br/mudanca-dos-polos-nortesul-esta-acontecendo-agora/
  8. http://thoth3126.com.br/sinkholes-surgem-por-todo-o-planeta/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Para alguns fiéis, as luas de sangue são mais que um evento cósmico raro, mas sim, um presságio para o fim do mundo  Foto: Nasa / Divulgação

Um evento cósmico raro é esperado para esta noite, antecedendo as 'quatro luas de sangue' que alguns acreditam ser presságio do fim do mundo

rte, Terra e Sol vão se alinhar no Espaço na noite desta terça-feira, um evento conhecido também como “oposição de Marte” que só acontece uma vez a cada 778 dias. Porém, o que faz o acontecimento cósmico marcante é ele antecede as "luas de sangue", um fenômeno que poderá ser visto da terra na próxima semana e que é interpretado por muitos como um sinal bíblico do fim dos tempos. 

De acordo com a Nasa, a rara sequência de quatro eclipses lunares (as ”luas de sangue”) é conhecida como tétrade, e será seguida por seis luas cheias. O ciclo começa na semana que vem, no dia 15 de abril, e terminará apenas em 28 de setembro deste ano. 

Ainda segundo a Nasa, as quatro luas de sangue só foram vistas por três vezes em mais de 500 anos: a primeira vez na Idade Média, em 1493, quando os judeus foram expulsos pela Inquisição Católica na Espanha; a segunda, em 1949, quando o Estado de Israel foi estabelecido na Palestina, e a terceira em 1967, durante a Guerra dos Seis Dias entre Árabes e Israelenses.

Para alguns fiéis, as luas de sangue significam mais que um evento cósmico raro: são um presságio para o “fim do mundo” e o retorno de Cristo à Terra para o Juízo Final. Na passagem bíblica do Livro de Joel, no Antigo Testamento, diz: “O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor” (Joel, 2:31).

Cães alinham o corpo com o campo magnético da Terra enquanto evacuam, diz estudo (Foto: Jenny Ricken/Universidade Duisburg-Essen/AFP)

Animal se alinha com o eixo do planeta na hora de defecar ou urinar. Capacidade pode ser usada para orientação.

Um estudo realizado na Alemanha concluiu que os cães conseguem captar o campo magnético da Terra. É a primeira vez que essa capacidade – anteriormente já percebida em outras espécies, como em pássaros – é identificada em cachorros.

Uma curiosidade está na forma como essa sensibilidade se manifesta. Os cães alinham o corpo com o eixo norte-sul do planeta no momento em que defecam ou urinam.

A conclusão é da equipe liderada por Hynek Burda, composta por cientistas da Universidade Duisburg-Essen, na Alemanha, e da Universidade Agrária Tcheca, com sede em Praga. Ao longo de dois anos, os pesquisadores observaram 70 cães de 37 raças diferentes, e mediram o eixo dos corpos dos animais durante 1.893 evacuações e 5.582 urinações.

Com esses dados, os cientistas conseguiram as primeiras evidências de que os cães são sensíveis ao magnetismo. Essa característica é importante porque, teoricamente, pode ser utilizada para a orientação dos animais na natureza. No entanto, o atual estudo ainda não foi capaz de descobrir se os cães de fato utilizam o artifício para navegação.

“De toda forma, é uma descoberta de imenso valor para a ciência. Pois apesar de todo o conhecimento das pesquisas com pássaros, o sentido magnético dos animais ainda não é bem compreendido”, afirmou Burda, em material de divulgação da Universidade Duisburg-Essen.

A pesquisa foi publicada pela revista especializada “Frontiers in Zoology”.

From: http://g1.globo.com

projeto-japones-transforma-lua-gigantesca-usina-energia-solar-discovery-noticias

Quando o assunto é energia e exploração espacial, temos que pensar grande – e é exatamente o que uma empresa japonesa está fazendo.

Uma das grandes vantagens do nosso satélite é que um de seus hemisférios é constantemente banhado pela luz do Sol (exceto durante eclipses ocasionais) e, portanto, gerar energia em painéis solares instalados na Lua pode não parecer algo tão distante.

Um exemplo é o recém-lançado rover chinês Chang’e 3/Yutu, que é movido a energia solar. Antes dele, os astronautas das missões Apollo já haviam realizado experimentos com energia solar no regolito lunar.

Mas que tal recobrir o equador da Lua com uma faixa de painéis solares de 400 quilômetros de extensão e enviar a energia para a Terra?

É exatamente essa a ideia da Shimizu Corporation, que pretende aproveitar o fluxo constante de 13.000 terawatts de energia gerados pelo Sol.

Segundo a revista Business Insider, “nos Estados Unidos, a capacidade total de geração de energia elétrica no verão foi de 1.050,9 gigawatts”.

Uma fonte de energia tão vasta poderia transformar totalmente a nossa civilização.

Como Obi -Wan diria: “Aquilo não é a Lua. É uma estação (solar) espacial”. “Essa mudança de foco, do uso de recursos limitados para o aproveitamento ilimitado de energia limpa, é o sonho de toda a humanidade.

O LUNA RING, nosso conceito de geração de energia solar lunar, transforma esse sonho em realidade por meio de ideias engenhosas, aliadas a tecnologias de ponta”, descreve o site oficial da empresa.

De fato, a empreitada exigirá tecnologias espaciais avançadas, não só para absorver a energia solar e enviá-la de forma eficiente para a Terra: sua própria construção exigirá vários saltos no desenvolvimento de tecnologia robótica.

No entanto, é preciso haver mudanças significativas nos acordos internacionais de cooperação espacial antes que o projeto saia do papel.

Uma estrutura digna da ficção científica, o LUNA RING é um anel que se estende pela circunferência da Lua ao longo de 11 mil quilômetros, construído por robôs que “executarão várias tarefas na superfície lunar, incluindo terraplanagem e escavação dos estratos inferiores do solo”.

O projeto será supervisionado por uma equipe humana, enquanto a maior parte das tarefas robóticas será operada remotamente da Terra.

Mas como a energia chegaria ao nosso planeta? Como a nossa atmosfera é praticamente transparente para microondas e lasers, a Shimizu pretende enviar a energia através de transmissores localizados no hemisfério lunar que está voltado para a Terra.

À medida que a Lua orbita a Terra e nosso planeta gira, estações internacionais de recepção alimentariam as redes de eletricidade com a energia solar abundante gerada no processo.

Seus criadores se apressam em destacar que essa fonte quase inesgotável de energia limpa poderia beneficiar toda a humanidade. Além disso, quando a infraestrutura estiver pronta, outros recursos poderão ser explorados – como a extração de minérios preciosos e a fabricação de produtos do regolito.

Pode-se imaginar um consórcio internacional de nações e/ou empresas que comprariam cotas da LUNA ANEL para viabilizar sua construção. Cada sócio teria o direito de construir estações de recepção na localização geográfica de sua escolha, livrando o planeta de fontes de energia poluentes.

O Japão, afetado pelo devastador acidente de Fukushima em 2011, está buscando ativamente novas fontes de energia alternativa para que possa abrir mão da energia nuclear – e não dá para ser mais “alternativo” do que isso.

A data prevista para o início da construção do LUNA RING é 2035. Até lá, a Shimizu acredita que a infraestrutura e a tecnologia de geração de energia solar no espaço terá avançado o bastante para possibilitar um projeto dessa magnitude.

Preocupar-se com pequenos detalhes práticos – como a limpeza dos painéis solares do LUNA RING e a obtenção do apoio da comunidade internacional – parece um pouco prematuro.

O projeto pode parecer um sonho distante, mas se as tecnologias atuais de fato avançarem, pode ser feito.

É claro que seria a maior façanha de engenharia da história da humanidade, mas não uma tarefa impossível para uma civilização em constante avanço tecnológico.

Se realizássemos tal proeza, estaríamos perto de nos tornar uma civilização Tipo 1 na Escala de Kardashev, que mede o desenvolvimento tecnológico de uma civilização.

Por enquanto estamos no Tipo 0: nossa capacidade de aproveitar as fontes de energia globais é muito limitada. Para chegar ao Tipo 1, teremos que captar toda a energia disponível na Terra.

Portanto, se conseguirmos criar uma usina de geração de energia solar no satélite natural do nosso planeta, provavelmente ganharemos um bom impulso na escala de Kardashev.

Embora seja apenas um conceito, não é difícil vislumbrar como a LUNA RING se tornará realidade.

Às vezes, é preciso pensar realmente grande para enfrentar alguns dos maiores desafios da nossa espécie.

Por Ian O’Neill

Palestra Aromaterapia
http://www.youtube.com/watch?v=OHesIIepqP0
Contador
  • 619659Total de Leituras:
  • 322Leituras Hoje:
  • 209Leituras Ontem:
  • 9820Leituras por mês:
  • 214587Total de visitas:
  • 177Visitas hoje:
  • 137Visitas ontem:
  • 7Visitantes online:
Contato

Nome

email

Assunto

Mensagem

captcha

Translator
Portuguese flagItalian flagKorean flagChinese (Simplified) flagChinese (Traditional) flagGerman flagFrench flagSpanish flagJapanese flagArabic flag
Russian flagGreek flagDutch flagBulgarian flagCzech flagCroatian flagDanish flagFinnish flagHindi flagPolish flag
Romanian flagSwedish flagNorwegian flagCatalan flagFilipino flagHebrew flagIndonesian flagLatvian flagLithuanian flagSerbian flag
Slovak flagSlovenian flagUkrainian flagVietnamese flagAlbanian flagEstonian flagGalician flagMaltese flagThai flagTurkish flag
Hungarian flagBelarus flagIrish flagIcelandic flagMacedonian flagMalay flagPersian flag