Nos tempos antigos, as lendas não eram apenas histórias contadas, mas muitas vezes a única maneira de as culturas compartilharem sua história.
Ye Ming Zhu (Pérola Brilhante da Noite) não é apenas uma parte registrada da história chinesa, mas sua tradição foi imortalizada por milhares de anos em lendas por muitas culturas.
Nas lendas, essas pedras brilhantes são reverenciadas e simbolizam boa sorte, sabedoria, riqueza e divindade. Só recentemente, pudemos começar a vivenciar a realidade dessas lendas em nossas vidas.
A pérola luminosa cercada por uma energia dourada, escondida à vista
O nome Ye Ming Zhu simplesmente descreve uma família de pedras brilhantes encontradas no solo. Este título também se estende a pedras criadas para ter a mesma estrutura cristalina, aprofundada em o que é Ye Ming Zhu. Sempre que uma lenda retrata uma pedra brilhante, essa pedra faz parte da família Ye Ming Zhu.
Em todas as culturas asiáticas, existe a Fênix, o Dragão e a Pérola
Em toda a arte chinesa, comumente encontramos Ye Ming Zhu como um Dragão com uma pérola brilhante.
No entanto, Ye Ming Zhu é verdadeiramente criada pelo equilíbrio perfeito do Dragão e da Fênix.
Esse equilíbrio entre o Dragão, a Fênix e a Pérola é encontrado em algumas das histórias mais famosas da China, como peça central de artefatos antigos e retratado nos templos mais sagrados.
Além do Dragão e da Fênix, pérolas e esferas brilhantes semelhantes são retratadas no Oriente com muitos Seres Celestiais, incluindo Kuan Yin e Buda segurando uma pérola luminosa.
Na arte e cultura budistas, as lendas são compartilhadas da “Jóia no Lótus”, “Pérola Divina”, “Jóia que Realiza os Desejos” e também uma “Jóia que Concede todos os Desejos”.
Esses objetos lendários compartilham muitos atributos associados a Ye Ming Zhu e são regularmente retratados brilhando.
Lendas da pedra Cintamani
Outro ser celestial frequentemente retratado com uma pedra brilhante é Ksitigarbha Bodhisattva, conhecido como o “Concedente de Desejos” (também chamado de “Ti Tsang P’usa” e “Di Zhang Wang Pu”).
A pedra com a qual ele é retratado é chamada de Cintamani ou a ‘Bola de Fogo do Bodhisatva Ksitigarbha’.
A Cintamani é mais do que uma lenda, em 1900, um pedaço de Cintamani brilhante foi dado ao artista e místico russo Nicholas Roerich. Pessoas referidas como a ‘Pedra do Céu’ e o ‘Tesouro do Mundo’, acreditava-se ter origens celestiais.
Alguns até dizem que foi trazida à Terra por emissários de outro planeta que orbita a estrela Sirius.
Diz-se que a energia emitida pela Cintamani ajuda a aumentar a frequência vibratória de uma pessoa e confere a capacidade de ver o passado e o futuro, abrindo portas para dimensões superiores – interestelar e celestial.
Nas lendas, também se dizia que a Cintamani aumentava a vitalidade espiritual de quem a tocava, infundia conhecimento, aprimorava suas habilidades psíquicas e permitia vislumbrar Agartha (casa dos Oito Imortais).
As lendas também dizem que tem o poder de transformar metais básicos em ouro e transformar humanos em imortais. Como a Cintamani é uma pedra brilhante, também é uma variedade de Ye
Ming Zhu.
Ye Ming Zhu na Índia
Nas lendas indianas também existem muitas gemas brilhantes lendárias. O Naga-Mani (Pedra da Cobra Brilhante), o Kaustubh, o Rudra-Mani e o Syamantaka-Mani.
O Syamantaka-Mani foi compartilhado nas lendas de Krishna e pode ser rastreado pelas mãos de muitos monarcas nos últimos 5.000 anos.
Alguns acreditam que seja o diamante na coroa da atual rainha da Inglaterra (roubado na conquista inglesa da Índia).
O Syamantaka Mani é agora conhecido como o diamante Koh-i-Noor (a “Montanha de Luz”).
As lendas dizem que o ‘Syamantaka’ brilhará novamente quando segurado por seu verdadeiro dono.
Ye Ming Zhu no Mormonismo e na Bíblia
Mesmo lugares como a Bíblia e o Livro dos Mórmons compartilham lendas de pedras brilhantes e a importância delas para suas religiões.
Na pesquisa do Dr. Apollos ele conecta Ye Ming Zhu a Urim. Urim é uma pedra brilhante através da qual o Livro de Mórmon foi decodificado.
Urim também é a pedra em Êxodo 28:30 que deve ser usada sobre o coração de Arão para discernir a vontade de Deus. Nós entramos mais nessas lendas no livro.
Ye Ming Zhu nas histórias de hoje
Como você pode ver, Ye Ming Zhu é retratada em mitos e lendas em todo o mundo. Esses arquétipos-chave também são vistos na sociedade moderna de hoje.
O Hobbit apresenta o ‘Arkenstone of Thrain’. A Arkenstone, o “Coração da Montanha” e uma maravilhosa gema brilhante com grande poder.
O filme de 2014 “Noé” eles retratam os descendentes de Caim construindo uma sociedade tecnológica baseada em um mineral que brilha chamado “Zohar”, e uma vez que “Zohar” se esgota, a civilização declina.
Alguns rabinos explicam a palavra “Tzohar”, que é traduzida como “janela” na King James (Gênesis 6:16), realmente significa “luz” “brilhante” ou “iluminador”.
Em todo o gênero de jogos de RPG massivamente popular, centenas de milhões de pessoas passaram bilhões de horas profundamente imersas em mundos onde os dragões são reais, as gemas brilham e a magia é possível.
Esses jogos abriram as mentes de gerações inteiras, passando inúmeras horas vivendo nesses reinos, interagindo com essas imagens fantásticas, mitos e lendas.
Independentemente de sua crença em torno dessas lendas; abrir a imaginação para mitos e magia é um dos presentes que Ye Ming Zhu pode trazer para nossa vida. Essas lendárias gemas luminosas podem realmente abençoar nossa vida quando as ativamos.
Cabe a nós fazer a escolha de trazer nossa vida quando as ativamos.
Cabe a nós fazer a escolha de trazer nossa crença, energia e intenção para esta pedra do tesouro e animar seu brilho com consciência.
Fonte postagem:  Assulus Sentinela
20 Views