CORTANDO OS LAÇOS

Olá, meu amigo.

Como vai você? Grato por reservar um tempo de sua agenda todos os meses para se conectar comigo desta forma.

Entramos no tempo para o qual nos preparamos há muito tempo – o tempo que as nossas antigas civilizações e antepassados profetizaram, ao longo de milhares de anos. É o momento, estamos aqui e nada mais será como antes.

Chegou a hora de cada um de nós dizer “SIM” para sermos nossos eus mais verdadeiros. É o momento de levantar os véus da ilusão que concordamos coletivamente em vivenciar juntos.

Durante muitos anos, o mundo nos ensinou e reforçou a ideia de que precisamos olhar para fora de nós mesmos em busca de realização.

Com isso, fomos levados a acreditar que éramos pequenos e insignificantes. Agora chegamos a um ponto crucial em nossa história, onde é hora de nos interiorizarmos, recuperarmos nosso poder e despertarmos para o nosso Eu Divino e Soberano.

Não existe outro ser em todos os Universos que seja exatamente como você. Você é um no infinito! Você é único e especial como é, porque é a encarnação da própria Divindade. Você é reverenciado em todo o Universo, no tempo, no espaço e em todas as dimensões.

Se você perceber que sua mente é resistente a essas palavras e energia, agradeça-lhe por protegê-lo e deixe-a saber que ela não será deixada para trás quando você aceitar totalmente o seu Eu Divino e Soberano.

À medida que começamos a integrar este profundo conhecimento interior de quem somos em nossas vidas diárias, perceberemos que se torna mais fácil reconhecer a Divindade nos outros e em tudo ao nosso redor.

A ILUSÃO ESTÁ SE DISSOLVENDO

Durante eras, a sociedade coletiva operou predominantemente com base em princípios patriarcais orientados para a sobrevivência. Estes chegaram até nós através de instituições que promoveram o medo e a separação, transmitidas sob a forma de religião, guerra, educação, governo, entretenimento e medicina.

Durante esse período, os princípios mais nutritivos, intuitivos e criativos do Feminino Divino, como a valorização do indivíduo, a honra à Terra e a busca da cura natural e do crescimento pessoal, foram deixados de lado por serem muito passivos, baseados no coração e improdutivos.

A humanidade conviveu com esse desequilíbrio durante milhares de anos. No entanto, tudo fazia parte de um contrato de Alma que todos nós fizemos para usar esse desequilíbrio para aprender lições, curar, evoluir e voltar à verdade de quem somos em nossa essência.

É importante agradecer e honrar todas as instituições patriarcais que promoveram o medo e a separação, por mais desafiador que isso possa ser, porque desempenharam um papel fundamental no nosso processo de despertar.

Elas se inscreveram para desempenhar o papel de desafiantes em nossa jornada, para que pudéssemos ver o contraste entre o que queríamos mais criar em nossas vidas e o que não queríamos mais.

O momento em que somos capazes de agradecer e honrar todos os desafios em nossas vidas, por mais difíceis que pareçam no momento, é o momento em que nos libertamos do poder que eles exerceram sobre nós.

Isto é o que está acontecendo agora. As pessoas estão despertando e se libertando da ilusão do medo e da separação. Estamos recuperando o nosso poder!

Este movimento está dissolvendo o antigo sistema patriarcal baseado na sobrevivência, à medida que os valores mais matriarcais da vida baseada no coração e dirigida pela alma passam para a frente da nossa consciência.

Podemos ver claramente a dissolução do velho sistema acontecendo em todo o mundo. Sistemas e ideologias que operam através de táticas de medo, controle, ganância e segredo, sem integridade, não conseguirão continuar por muito mais tempo.

O caos e a aparente amplificação do medo que temos visto ultimamente são, na verdade, uma confirmação clara de que a humanidade como um todo já teve o suficiente e que estamos prontos para algo muito diferente.

Se as coisas estão parecendo um pouco mais assustadoras para você no mundo, é porque há desespero sendo sentido agora por aqueles que estão tentando causar o medo.

A meu ver, é a parte do “ego” da humanidade que está criando isso – apenas a mente tentando se proteger e manter as coisas iguais. Com esta consciência, podemos ter compaixão, sem ter que comprar ou alimentar as táticas do medo.

O processo de despertar foi convocado pelo nosso Espírito muito antes mesmo de entrarmos neste paradigma. Portanto, podemos nos confortar em saber que não há certo ou errado quando se trata de como avançamos durante o nosso despertar.

Nossa intuição sempre encontrará uma maneira de nos guiar de volta ao nosso verdadeiro eu, quer optemos por seguir o caminho mais longo ou o mais direto.

A PRÓXIMA FASE DO DESPERTAR

Esta nova fase do nosso despertar, que começa agora, no início de Novembro, está nos apoiando a ultrapassar o papel de Vítima. Temos agora a oportunidade de aposentar o arquétipo da Vítima com o qual nós e os nossos antepassados nos identificamos ao longo de muitas vidas.

Antes de aposentarmos o arquétipo de Vítima, é importante honrá-lo por servir por nos manter seguros e protegidos em um mundo que costumava funcionar puramente com base na sobrevivência.

É também importante que atribuamos às nossas experiências de identificação com a consciência de vítima a plena dignidade e o direito de serem vistas, ouvidas e reconhecidas.

Este é, na verdade, o primeiro passo para deixarmos de permanecer no papel de vítima. Nunca queremos amenizar, nos livrarmos, culparmos ou negarmos qualquer coisa que vivenciamos durante aqueles momentos em que nos identificamos como vítimas.

O segundo passo para liberar a consciência de vítima é aceitar cada pessoa, experiência e coisa tal como apareceu nas nossas vidas, sem tentar mudá-la.

Ao aceitarmos essas coisas, não estamos dizendo que ressoamos, aprovamos ou concordamos com elas. Estamos simplesmente nos dando permissão para não permitir que elas nos definam.

O terceiro passo para liberar a consciência de vítima é abandonar a culpa – em outras palavras, oferecer o perdão. A culpa vem da necessidade de tornar algo ou alguém errado ou ruim e, de alguma forma, responsável por algo difícil que vivenciamos.

Em nossa essência, somos o Criador de todas as nossas experiências. Quando operamos conscientemente a partir do nosso Eu Criador, transcendemos a dualidade. Saímos do julgamento e entramos no discernimento.

À medida que avançamos na beleza e no poder do nosso Eu Criador, navegamos em nosso caminho escolhendo apenas o que parece estar alinhado para nós e liberando o que não está. Entendemos que só porque algo ressoa ou não em nós, não significa que seja bom ou ruim, ou que seja uma decisão de outra pessoa para nós, ou vice-versa.

Você consegue sentir o quanto é mais leve operar a partir desse espaço? Há apenas ressonância ou nenhuma ressonância. Significando: “Eu escolho mais disso, ou escolho menos ou nada disso”. Não há mais necessidade da dualidade, de rótulos “bons” ou “ruins”. Isto é liberdade!

O quarto passo para superar a consciência de vítima é recuperar o nosso poder. Recuperar o nosso poder significa que estamos comprometidos em nos conectar com quem somos em nossa essência. Fazemos isso por meio do amor próprio, do cuidado, da bondade, da nutrição, do desenvolvimento espiritual e da expressão criativa.

As pessoas mais poderosas do planeta não são aquelas que controlam ou menosprezam os outros. As pessoas mais poderosas do planeta são aquelas que sabem quem realmente são. Elas sabem que são muito maiores do que a soma de todas as suas experiências e histórias. Elas sabem como se expressar plenamente – como falar com amor, sem ter que provar nada a ninguém.

Elas perdoam rapidamente e superam experiências desafiadoras com maior facilidade. Elas são gentis e amorosas com o mundo ao seu redor e cuidam do bem-estar de todos os seres vivos. Elas fazem a diferença no planeta, sem se preocuparem com quão pequeno ou grande será o efeito disso.

Elas veem a raça, gênero, religião e orientação sexual como algo do passado. Elas celebram a capacidade dos outros de prosperar. Elas se veem como parte de um todo, em vez de separadas de todas as outras formas de vida. Elas sabem amar e como serem abertas e vulneráveis. Elas são positivas e otimistas. Elas defendem aquilo em que acreditam.

E muito mais.

CORTANDO OS LAÇOS

Este mês, uma maior consciência em torno dos relacionamentos estará em primeiro plano. Teremos a oportunidade de perceber com mais clareza se nossos relacionamentos pessoais são saudáveis ou não.

Essa clareza tornará mais desafiador “olhar para o outro lado” ou “desculpar” os comportamentos pouco respeitosos, menos gentis, honestos e amorosos que temos experimentado em nossos relacionamentos.

Se ainda estamos enfrentando muitos desafios ou nos sentindo esgotados em nossos relacionamentos (isso pode incluir nossos relacionamentos com amigos, familiares, colegas ou até mesmo com nós mesmos), este mês nos dará a oportunidade de cura e resolução.

Esta resolução não significa necessariamente que será fácil ou confortável, mas acontecerá muito em breve, se ainda não aconteceu. Esta resolução faz parte de algo que gosto de chamar de processo de eliminação de cordões.

Você já se perguntou por que algumas pessoas em nossas vidas tendem a nos perturbar mais do que outras?

Isso geralmente decorre de algum tipo de acordo inconsciente que cria um cordão de energia invisível entre nós e essa pessoa, com a intenção de aprender uma lição específica que nos permitirá expandir para mais o nosso verdadeiro Eu Divino.

Esses cordões são formados por uma pessoa que pode realmente ultrapassar nossos limites e nos fazer sentir extremamente desconfortáveis. Esses cordões podem se originar desta vida ou de uma vida anterior. Se ainda carregamos alguns desses cordões com certas pessoas, as coisas chegarão ao auge muito em breve, caso ainda não o tenham feito, para que algum tipo de resolução ocorra.

Portanto, estejamos cientes do fato de que grandes mudanças em nossos relacionamentos estão em um horizonte próximo. Se existe um relacionamento aparentemente desequilibrado em nossas vidas, é hora de sermos proativos e fazermos algo a respeito, mesmo que isso signifique ter uma conversa séria. Eu sei que muitos que são um pouco sensíveis, tendem a evitar se expressar plenamente em um relacionamento por causa da preocupação de que isso possa ofender alguém.

No entanto, simplesmente não podemos mais olhar para o outro lado. O que nos é pedido é que expressemos a nossa verdade de uma forma compassiva, mas fortalecedora. Esse é o grande tema deste mês, sermos proativos na expressão livre e plena, sem nos escondermos mais.

Um bom começo para fazer isso pode ser nos perguntarmos: “Que lição(ões) essa experiência trouxe para minha vida? E que medidas empoderadas de ação posso tomar para deixar de recriá-la?”

Assim como estamos liberando os cordões a nível pessoal, também o estamos fazendo a um nível global. Espere testemunhar grandes mudanças e movimentos nas relações entre os países. Novas ligações serão formadas e as antigas baseadas na mentalidade “nós contra eles” começarão a desintegrar-se. Este é realmente um momento emocionante!

O PERDÃO

Para acelerar ainda mais o nosso processo de cura dos cordões, o perdão é uma escolha incrível. O perdão não tem nada a ver com tolerar ou desculpar qualquer coisa. Perdoar é nos libertarmos de um passado que pensávamos que queríamos, mas que na verdade entregamos o nosso poder a uma pessoa, coisa ou expectativa.

Perdoar é não permitir mais que ninguém viva sem pagar aluguel em sua mente. Porque ainda estamos em nossa humanidade, o perdão ainda é importante e serve para nos reconectar com quem realmente somos no nosso âmago mais profundo. O perdão serve como uma ponte que nos leva do sono ao despertar do véu da ilusão.

AVANÇANDO

A cura dos cordões pela qual passaremos agora nos está abrindo para uma nova era de paz, amor, unidade e abundância para todos. Podemos ver o que está acontecendo agora como uma fase de refinamento. À medida que somos levados a uma nova era, é absolutamente normal passar por um período de luto.

Se você está sentindo muita tristeza ou pesar, ou está sentindo isso no coletivo, saiba que isso faz parte do processo de cura. Isso não significa que seremos menos espiritualizados ou iluminados se passarmos por um período de luto.

Na verdade, ao reconhecer a importância do luto e ao nos darmos permissão total para vivenciá-lo, estamos praticando uma consciência superior em seus níveis mais elevados.

Nos próximos meses, é importante que sejamos amorosos, gentis e compassivos conosco e com os outros. Há uma grande transformação interna e externa acontecendo, então estejamos dispostos a sermos gentis com todos, inclusive com nós mesmos.

Somos todos uma família e em breve uma realidade coletiva muito diferente começará a se manifestar, à medida que almas mais belas começarem a despertar. Juntos, estamos criando ativamente a grande mudança das eras e estou profundamente grato por isso.

Até a próxima,

Com amor,

Emmanuel

Fonte: www.emmanueldagher.com
Facebook: https://www.facebook.com/emmanueldagher1
Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br
Veja mais Emmanuel Dagher Aqui

Postagem: www.sementesdasestrelas.com.br

38 Views